O casal que conquistou a internet e os palcos de todo o Brasil vai voltar a Ribeirão Preto. Em 24 de julho, sába­do, às 18 horas, Sr. e Sra. Ma­loka estarão no Teatro Muni­cipal dividindo suas histórias no espetáculo “Quem man­dou casar?”. Com muito hu­mor, emoção e música, juntos desde 2017, os dois percebe­ram que sua sintonia ia muito além da vida amorosa.

O Maloka, que já tinha uma carreira consolidada como hu­morista e digital influencer, passou a introduzir sua então namorada nos vídeos e os dois juntos passaram a conquistar ainda mais fãs com suas mú­sicas e maluquices. Hoje eles têm mais de 50 milhões de vi­sualizações em seus vídeos.

Um show de aproxima­damente uma hora com his­tórias e músicas do cotidiano do casal contadas com muito humor. Ideal para os casais de todos os tipos que se identifi­cam instantaneamente e dão muitas risadas lembrando de suas próprias experiências.

Os ingressos para custam R$ 60 e R$ 30 e o combo para casal sai por R$ 60. A meia­-entrada vale apara estudan­tes e professores de escolas públicas e particulares (me­diante apresentação de docu­mento comprobatório como carteirinha da instituição, boleto de mensalidade ou holerite), aposentados (com documento específico) e ido­sos acima de 60 anos (com cédula de identidade, o RG).

Os ingressos estão à venda apenas no site do Mega Bilhe­teria (www.megabilheteria.com). O Teatro Municipal fica na praça Alto do São Bento s/ nº, Jardim Mosteiro. Para com­pra online há taxa de serviço. O local tem capacidade para receber 515 pessoas, mas rece­berá no máximo 310 por causa dos protocolos de prevenção da covid-19, que permite até 60% do previsto em alvará – o estacionamento tem 40 vagas.

Mais informações pelos te­lefones (16) 3625-6841. O es­petáculo não é recomendado para menores de 14 anos. O uso de máscara é obrigatório.

Os assentos devem ser mar­cados respeitando a distância segura entre pessoas que não são da mesma família. O inter­valo está suspenso. Também está proibida a participação do público nos palcos e fotos com artistas. Os espaços devem ser higienizados entre uma sessão e outra. A situação é semelhan­te para os cienmas, museus, centros culturais e bibliotecas.