O Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Nasa localizado no sul da Califórnia, nos Estados Unidos, iniciou a fase de montagem, testes e operações de lançamento da espaçonave que tem como missão pousar no asteroide Psyche.

A previsão de lançamento é para agosto de 2022 do Cabo Canaveral, na Flórida, com destino a rocha espacial que é rica em metal e que orbita o Sol no cinturão principal localizado entre Marte e Júpiter.

A nave voará por Marte para obter ajuda da gravidade em maio de 2023 e, no início de 2026, entrará em órbita ao redor do asteroide Psyche, onde passará 21 meses coletando dados científicos.

Ilustração da nave Psyche. Créditos. Nasa/JPL-Caltech/ASU
Ilustração da nave Psyche. Créditos. Nasa/JPL-Caltech/ASU

O Chassi Solar Electric Propulsion (SEP) foi fabricado pela Maxar Technologies em Palo Alto, Califórnia, e é do tamanho de uma van. Ele representa mais de 80% do hardware que vai compor a espaçonave. “Ver este grande chassi de espaçonave chegar ao JPL vindo da Maxar está entre os marcos mais emocionantes que vivemos no que já foi uma jornada de 10 anos. Construir esta complexa peça de engenharia de precisão durante o ano de Covid é absolutamente um triunfo da determinação e excelência humana”, exaltou Lindy Elkins-Tanton, da Arizona State University, que lidera a missão.

“Conseguimos projetar e construir uma espaçonave SEP para uma jornada de bilhões de milhas em um ambiente de baixo consumo de energia, ao mesmo tempo que priorizamos a saúde e a segurança de nossa equipe durante uma pandemia global. A colaboração entre a Maxar, a Arizona State University e o JPL da NASA é um modelo de sucesso e estamos honrados por fazer parte da missão Psyche”, completou Steven Scott, gerente do programa Psyche da Maxar.

Ilustração do Asteroide Psyche. Créditos. Nasa.JPL.Caltech.ASU
Ilustração do Asteroide Psyche. Créditos. Nasa/JPL-Caltech/ASU

Corrida contra o tempo

Agora a equipe do projeto precisa correr contra o tempo para cumprir os prazos antes do lançamento, como ressaltou Henry Stone, gerente da missão Psyche no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa: “É uma fase muito intensa. É uma coreografia intrincada e, se uma atividade apresentar um problema, pode impactar todo o processo. Manter o cronograma nesta fase da missão é absolutamente crítico”.

Depois da montagem completa, o orbitador irá para a grande câmara térmica de vácuo do JPL para simular o ambiente hostil do espaço profundo. Neste local os engenheiros começarão os testes pesados ​​para garantir que a espaçonave possa sobreviver ao espaço profundo, ser impulsionada com o sistema de propulsão elétrica, fazer medições científicas e se comunicar com a Terra.

Fonte: PHYS