ALFREDO RISK/ ARQUIVO TRIBUNA

Depois de muitos capítulos e mais de dois anos de duração, a novela sobre a instalação do segundo Bom Prato de Ribei­rão Preto pode estar chegando ao fim. Nesta quinta-feira, 18 de julho, às 14h30, a professora Margaret de Castro, presidente do Conselho Gestor do Campus da Universidade de São Paulo (USP) e diretora da Faculdade de Medicina (FMRP), vai con­ceder coletiva para falar sobre o assunto. Ela deve revelar como estão as negociações entre a USP, a prefeitura e o governo estadual para a instalação do restaurante na região do Hospital das Clíni­cas Unidade Campus.

Também vai apresentar o novo local onde será construído o Bom Prato. Na terça-feira (16), durante visita do governador João Doria (PSDB) a Ribeirão Preto, o prefeito Duarte Nogueira Jú­nior (PSDB) mencionou, em seu discurso no Palácio Rio Branco, que as negociações com o Estado estavam no final e que o equipa­mento será construído na avenida Governador Lucas Nogueira Gar­cez, em uma área próxima à Clí­nica Civil do Hospital das Clínicas Unidade Campus, na Zona Oeste.

A novela sobre a instalação do segundo Bom Prato de Ribei­rão Preto já teve vários capítulos. Começou em 2017, na gestão do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). Em outubro daquele ano, durante uma solenidade no Pa­lácio dos Bandeirantes, ele anun­ciou para o vereador Igor Oliveira (MDB) que o restaurante ficaria pronto em março de 2018. Con­tudo, a data acabou sendo prorro­gada para setembro, mas também não foi cumprida. Na época, o emedebista presidia uma Comis­são Especial de Estudos (CEE) sobre o tema.

Em 30 de maio, a prefeitura anunciou que o novo restaurante, depois de inaugurado, atenderia no imóvel da rua Capitão Pereira Lago nº 1.605, no Jardim Monte Alegre, na Zona Oeste da cidade. O empresário anônimo da cidade que se dispôs a construir o prédio, equipá-lo e doá-lo ao município, desde que ficasse o mais próximo possível do ambulatório do HC, havia desistido da ideia. Segundo a prefeitura, o cronograma não seria alterado. A administração diz que a verba já está reservada.

Disse também que, quando o Estado – por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social – li­berar o dinheiro, o Instituto de Desenvolvimento Social e da Ci­dadania Protagonismo, Organi­zação Social (OS) que vai gerir o restaurante, começará a trabalhar na reforma e adequação do imó­vel. Em 29 de abril, o governador João Doria garantiu que a segunda unidade do Bom Prato em Ribei­rão Preto será inaugurada no pri­meiro semestre de 2020.

Deverão ser fornecidos 1.400 almoços diariamente, dos quais 140 para crianças com até seis anos de idade e 1.260 para adul­tos, de segunda a sexta-feira, ex­ceto aos feriados. O valor pago pelos usuários será de R$ 1 e as crianças até seis anos estarão isentas. Também está previsto o fornecimento de 300 cafés da manhã diários, a R$ 0,50 para os usuários. O custo total do almo­ço será de R$ 5,70 e do café da manhã R$ 1,96. A diferença entre o preço pago pelo usuário e o valor total das refeições será subsidiado pela esfera pública.

O Hospital das Clínicas de Ri­beirão Preto atende anualmente cerca de 700 mil pessoas. O valor global para a execução da par­ceria é de aproximadamente R$ 3,43 milhões, dos quais R$ 2,37 milhões correspondem a repas­ses da pasta (ou 69,3%), outros R$ 715,85 mil são a contrapartida da prefeitura de Ribeirão Preto (20,9%) e R$ 336,99 mil de paga­mentos realizados pelos usuários do programa (9,8%).

O Bom Prato do Centro, na rua Saldanha Marinho nº 765, serve diariamente 2.050 refeições, sendo 1.750 no almoço a R$ 1 e 300 no café da manhã, a R$ 0,50. A entidade responsável pela uni­dade é Associação Espírita Casas de Betânia. Desde sua inaugu­ração, em novembro de 2005, o restaurante já atendeu mais de 4,6 milhões de pessoas. A rede de res­taurantes serve diariamente mais de 100 mil refeições, entre almoço e café da manhã.

Comentários