A Microsoft adicionou um novo recurso ao Microsoft Teams para ajudar os alunos a melhorar a leitura perante o computador durante a pandemia. A ferramenta se chama ‘Reading Progress’ e funciona permitindo que os usuários gravem a si mesmos lendo um texto, assim os professores podem avaliar a desenvoltura como taxas de precisão, erros de pronúncia e outros pontos.

É normal que os alunos pratiquem a fluência na frente do professor, como se fosse um teste oral em que dão vida para um texto em voz alta. Os professores podem medir a velocidade, precisão e expressão da leitura e agora, a Microsoft melhora o trabalho com esse recurso durante a pandemia.

“Com a pandemia, se você pensar em ler com fluência, fica realmente difícil porque você não pode estar ao lado dos alunos”, disse Mike Tholfsen, gerente de produto da Microsoft Education, em uma entrevista ao The Verge .

Microsoft Teams

A Universidade de Stanford – através de um estudo – descobriu que a pandemia afetou sim a capacidade de leitura dos alunos, resultando em uma queda de cerca de 30% na fluência da leitura. “Quando a pandemia atingiu, nós realmente trabalhamos com o chefe da Microsoft Education e concordamos em acelerar o desenvolvimento”, afirmou Tholfsen.

Desde outubro do ano passado, a Microsoft está em fase de teste de uma versão alfa do Reading Progress com mais de 350 professores. Neste momento, o recurso já está pronto e de forma gratuita antes do próximo ano letivo.

nova tecnologia é baseada e alimentada pelo Azure no back-end, assim os educadores podem ajustar a sua sensibilidade para medir alunos com distúrbios de fala ou dislexia. Por meio de um painel, os professores verão as palavras por minuto e com a taxa de precisão.

Além disso, podem escolher se querem a detecção automática ou se preferem a avaliação manual. O recuso da Microsoft Teams também está calibrado para lidar com diferentes dialetos e sotaques.

A empresa estima que a tecnologia possa ser usada como um todo para ajudar na fluência de leitura. “A ciência da leitura dirá que quanto mais um aluno lê em voz alta, melhor sua fluência ficará. Se os professores puderem ter tempo para dar mais atribuições de fluência de leitura, isso é uma coisa boa para a leitura em geral”, concluiu Tholfsen.

Fonte: The Verge