FOTOS: J.F. PIMENTA

Quando alguém pergunta para o vereador Sérgio Zer­binato (PSB) se ser vereador era o que ele esperava a res­posta será um alto e sonoro sim. Eleito para seu primeiro mandato parlamentar nas elei­ções municipais do ano passado, com 1.913 votos, a maioria deles obtida do Complexo Ribeirão Verde, na zona Leste da cidade, ele afirma que está preparado para os desafios da vereança.

“Fiz especialização em ges­tão pública, me preparei mui­to para estar aqui, então eu sabia como funciona os trâ­mites e os processos. Mas não posso negar que a carga de trabalho assusta no começo, são muitas demandas, pesso­as para ouvir, reuniões, ses­sões, mas tudo isso é muito gostoso quando fazemos com amor”, avalia. Para ele política é missão e é preciso gostar de gente, da correria e dos desa­fios a serem enfrentados.

 

Tribuna Ribeirão – O senhor está em seu primeiro mandato parlamen­tar. Como avalia sua eleição nas elei­ções municipais do ano passado?
Sérgio Zerbinato – Venho desen­volvendo um trabalho muito forte na região do Ribeirão Verde já faz algum tempo. Fui candidato pela primeira vez em 2016, e mesmo sendo o mais votado dentro do partido não consegui entrar porque o partido não alcançou o coefi­ciente eleitoral, em 2018 fui candidato a deputado estadual aumentando minha votação. Eu creio que minha eleição em 2020 se deu por essa construção na mi­nha base, sempre fazendo um trabalho próximo da comunidade, olhando os problemas e buscando soluções. En­cabecei o movimento de luta para que não perdêssemos a verba destinada para a duplicação da Avenida Antônia Mugnatto Marincek, no governo de ex-prefeita Darcy Vera, por exemplo. Essa foi apenas uma das lutas que travei e fora isso, presidi o Conselho Munici­pal de Juventude e participei ativamente em outras esferas da política municipal, sempre construindo pontes através do diálogo, acho que todo esse histórico contribuiu muito para que eu viesse a ser eleito em 2020 sendo o segundo mais votado dentro do meu partido.

Tribuna Ribeirão – A pandemia do novo coronavírus mudou o jeito de se fazer campanha em função do distan­ciamento social. Como o senhor fez para chegar ao seu eleitorado?
Sérgio Zerbinato – A pandemia sem dúvidas foi um fator limitante du­rante essa campanha, foi completamen­te atípica. Porém, como eu disse, sem­pre estive muito próximo as pessoas do Complexo Ribeirão Verde. Sempre tentei responder a todos e buscar solu­ções para problemas que enfrentamos no bairro. Então eu acho que por mais que o distanciamento social tenha difi­cultado um pouco, o meu histórico de atuação em favor da população favo­receu muito. Também fiz um trabalho muito bacana nas redes sociais, levando informação e levantando pautas im­portantes, principalmente através do Facebook e do WhatsApp. No perío­do de pré-campanha, por exemplo, fiz uma série de lives com especialistas de diversas áreas para discutir questões da cidade e apontar soluções, creio que fui propositivo nesse sentido. Essa, aliás, tem sido uma marca do meu mandato, apontar os erros, mas buscar sempre trazer soluções viáveis e técnicas.

Tribuna Ribeirão – Qual o perfil do seu eleitor?
Sérgio Zerbinato – A maioria dos votos que tive veio de moradores do Complexo Ribeirão Verde, região que eu moro desde minha adolescência e onde comecei a minha atuação política. São homens e mulheres trabalhadoras, gente que batalha muito, pessoas como eu. Sempre trabalhei e estudei para bus­car crescer como cidadão e pessoa, eu acho que isso foi o que conectou as pes­soas a minha mensagem.

Tribuna Ribeirão – A pandemia tem atrapalhado seu atual trabalho parlamentar?
Sérgio Zerbinato – Sempre digo para a minha equipe que assumimos um mandato em um momento comple­tamente atípico. Tivemos pouquíssimas sessões presenciais, e logo precisamos interromper os trabalhos presenciais por conta da pandemia da Covid-19. Isso sem dúvidas dificulta muito o tra­balho, ainda mais pra mim que sempre tive um perfil de estar muito próximo às pessoas. Trocar experiências e ou­vir o outro. Creio que esse contato faz muita diferença, mas é necessário que tenhamos esses cuidados agora para que possamos voltar à normalidade o quanto antes. Enquanto isso temos fei­to um trabalho através das nossas redes sociais, atendendo a população através de canais digitais, como WhatsApp, Facebook e Instagram, e também por videoconferências, nesse sentido a tec­nologia nos ajudou muito a amenizar os efeitos desse distanciamento.

Tribuna Ribeirão – O PSB tem como principais lideranças na cida­de o deputado federal Ricardo Silva e o deputado estadual Rafael Silva, considerados oposição ao governo Duarte Nogueira em Ribeirão Pre­to. Qual a sua postura e relação à administração municipal?
Sérgio Zerbinato – Desde a cam­panha tenho adotado uma postura de oposição coerente e propositiva. Não concordo com tudo, mas busco sempre apontar caminhos. Precisamos fazer uma política séria, essa é minha missão, não criticar por criticar, mas sempre ser respaldado em fatos técnicos para fazer o melhor para nossa cidade. Essa é a missão do político, melhorar a vida das pessoas. Na primeira votação que tivemos, por exemplo, votei contra a ex­tinção do cargo de cozinheiras na Rede Municipal de Educação por que faltou ao projeto elementos técnicos que justi­ficassem a extinção.

Tribuna Ribeirão – Quais são as suas prioridades neste mandato?
Sérgio Zerbinato – Minha primei­ra missão ao assumir foi elaborar junto com minha equipe um planejamento de ações. Entendo que é fundamental que saibamos onde queremos chegar e como vamos fazer. Tenho pautas que considero importantes como a questão ambiental, por ter feito parte do Con­selho Municipal de Meio Ambiente, a questão da saúde também, que está en­tre os principais problemas enfrentados pela população de Ribeirão agravado ainda mais pela situação da pandemia. A questão cultural, que precisa ser mais valorizada e fomentada, valorizando os profissionais e oferecendo para a popu­lação mais espaços culturais e também a questão de mobilidade urbana. Ribeirão Preto precisa pensar com urgência essa questão, principalmente nas linhas que atendem pessoas de bairros periféricos, que às vezes precisam pegar dois ônibus para chegar ao seu local de trabalho to­dos os dias. É preciso repensar as rotas, oferecer outros modais e também têm outras questões, como o preço da tarifa. Um dos meus primeiros projetos apre­sentados é o que prevê que a prefeitura informe com antecedência novos rea­justes. Fora isso tem a questão do diá­logo também, pautas que vão surgindo conforme dialogamos com a sociedade que nos apontam problemas. Estamos aqui para ouvir e servir a todos.

Tribuna Ribeirão – Em relação ao combate ao coronavírus que ava­liação o senhor faz da administra­ção municipal?
Sérgio Zerbinato – Creio que a ad­ministração errou em muitos momen­tos, o que gerou uma situação de insta­bilidade como, por exemplo, anunciar um lockdown com menos de 24 horas de antecedência, pegando todos de sur­presa e gerando filas nas portas do su­permercado. Mas precisamos entender também que a pandemia é uma situa­ção complexa que tem afetado as prefei­turas em todo o país. Por ser um vírus novo, as coisas ainda são muito recentes e às vezes precisamos tomar decisões rápidas. Mas isso não isenta que essas decisões sejam tomadas de forma co­erente e tentando amenizar o máximo possível os seus efeitos negativos.

Tribuna Ribeirão – E que avaliação o senhor faz do presidente Bolsonaro e do governador João Doria na condu­ção das ações contra ao coronavírus?
Sérgio Zerbinato – O governo fe­deral errou em diversos momentos na gestão da crise da covid-19, por exem­plo, quando recusou a oferta de vacinas no ano passado, atrasando a entrega para todo o país. Por isso estamos cor­rendo contra o tempo para vacinar to­dos, afinal, somente a vacinação pode nos levar de volta à normalidade. Outro erro do governo federal foi insistir na indicação de remédios sem comprova­ção científica e hoje passamos dos 400 mil mortos. São pais, mães e filhos que morreram e isso é algo muito sério. So­bre o governador João Dória, acredito que ele teve um papel importante na aquisição de vacinas e para pressionar o governo federal a começar a traba­lhar no mesmo sentido. Qualquer pes­soa sensata teria de fazer o que ele fez em meio a uma crise sanitária desse porte, buscar vacinas. Porém, acredito que ele tenha falhado em medidas de prevenção, com o uso político do Plano São Paulo, fazendo flexibilizações sem considerar a realidade sanitária do es­tado. Faltou também um programa que ajudasse o comércio local, pra evitar maiores desastres em nossa economia. Somos o maior Produto Interno Bruto (PIB) da nação, é inadmissível que não tenha sido criado um programa de sub­sídio ou de cortes de impostos para os comerciantes em épocas de medidas restritivas. O resultado estamos sentido agora na economia.

Tribuna Ribeirão – Ser vereador está sendo o que o senhor esperava antes de ser eleito?
Sérgio Zerbinato – Sim. Fiz uma especialização em gestão pública, me preparei muito para estar aqui, então eu sabia como funciona os trâmites e os processos. Mas não posso negar que a carga de trabalho assusta no come­ço, são muitas demandas, pessoas para ouvir, reuniões, sessões, mas tudo isso é muito gostoso quando fazemos com amor. Eu acredito que política é missão, você precisa gostar de gente, da correria e acredito que essa é a minha. Recente­mente fui selecionado para fazer parte do Programa Politize, um importante movimento nacional que busca capa­citar líderes para multiplicar boas ações na política. Essa é mais uma evidência de que estamos no caminho certo, temos muito que aprender, mas estamos muito focados em apresentar um trabalho a al­tura do que essa cidade merece. Durante a campanha falei muito sobre o potencial de Ribeirão, somos uma cidade gigante, com um orçamento bilionário, temos cidadãos que constroem essa riqueza todos os dias e por isso é preciso se pensar numa política que devolva isso para todos em bons serviços e qualidade de vida.

Tribuna Ribeirão – Qual a princi­pal dificuldade que o senhor encon­trou no Legislativo?
Sérgio Zerbinato – Ser oposição ao governo é uma tarefa muito complexa e acaba atrapalhando em alguns mo­mentos, nas votações por exemplo. Mas tenho tentado buscar o caminho do diálogo, principalmente entre os meus pares na Câmara. Acredito que os in­teresses da cidade precisam estar acima de qualquer outro, independente de ser posição ou oposição, nosso foco precisa ser construir pontes e buscar a melhor forma de realizar um trabalho que me­lhore a vida de todos. Seja propondo leis ou na fiscalização ao Executivo.