30.6 C
Ribeirão Preto
13 de agosto de 2022 | 16:14
Jornal Tribuna Ribeirão
Artigos

O voto feminino

O público feminino compõe a maioria dos brasileiros aptos a votar. Segundo dados divulgados recentemente pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mais de 82 milhões de mulheres devem comparecer às urnas no próximo dia 2 de outubro, o equivalente a 52,65% do total do eleitorado.

Esses números acompanham as estatísticas populacionais brasileiras. Conforme o primeiro teste nacional do Censo De­mográfico 2022, divulgado em março deste ano pelo IBGE, as mulheres representam hoje 51,7% da nossa população.

Embora o número de mulheres seja maior tanto na base de eleitores quanto na população, elas ainda não ocupam uma posição de protagonismo quando analisamos seus direi­tos conquistados e sua representatividade. Por isso é tão im­portante que todas tenham consciência de seu papel trans­formador na sociedade e façam suas vozes serem ouvidas.

Para que isso ocorra, é fundamental comparecer, de fato, às urnas e escolher seus candidatos a presidente, governa­dor, senador, deputado federal e deputado estadual. Quando votamos em branco ou nulo, estamos delegando nosso poder de decisão a terceiros, que não sabem como pensamos, o que queremos e do que precisamos.

Também é fundamental conhecer os políticos em quem se pretende votar. Saber quem é a pessoa por trás da cédula. Seus feitos anteriores e suas propostas futuras. Há mui­tas pautas femininas a serem defendidas, como combate à violência doméstica, ao feminicídio e à cultura do estupro. Alguns desses temas já são criminalizados. Mas, no âmbi­to legislativo, é possível avançar ainda mais, por meio de projetos de lei e de emendas, para oferecer maior proteção às vítimas, com aumento das punições, por exemplo.

À frente da Federação dos Comerciários do Estado de São Paulo (Fecomerciários), tenho apoiado a campanha mundial “16 Dias de Ativismo Contra a Violência de Gênero”, e ações internas, ao lado da Comissão Organizadora “Mulher Valori­zada, Comerciária Fortalecida”. Lutamos por bandeiras como a equiparação salarial de mulheres que atuam na mesma função e jornada dos homens, a instalação de novas creches às mães comerciárias, o fim do assédio moral e sexual no ambiente de trabalho, entre outras.

Como deputado federal, apresentei recentemente uma emenda à proposta da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2023, que prevê a ampliação de políticas afir­mativas de apoio à prevenção e combate à violência contra a mulher e à garantia de direitos delas. Essa proposta foi vo­tada e aprovada pelo Congresso Nacional em julho e segue, agora, para sanção presidencial.

É inadmissível que, em pleno século 21, crimes contra essa população sigam em tendência de crescimento. Nos últi­mos meses, tivemos uma série de notícias chocantes nas mídias e nas redes sociais, como o da procuradora-geral de Registro (SP), agredida covardemente a socos e pontapés por seu colega de trabalho, e o da paciente que foi estuprada pelo anestesista dentro da sala de parto, em São João do Meriti (RJ).

É claro que mudanças profundas na sociedade não acon­tecem da noite para o dia. Para que notícias como as citadas deixem de existir, dependemos da conscientização e do enga­jamento de todos os cidadãos – inclusive dos homens – em prol de uma sociedade mais justa e equânime. Porém, juntas, as mulheres já formam um grupo decisivo, capaz de dar um importante passo nesse sentido. Que seja o ano delas.

Mais notícias

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com