ALFREDO RISK/ARQUIVO

O ano começou com duas mortes no trânsito de Ribeirão Preto, em janeiro, disparou para nove em fevereiro, recuou para cinco em março, permaneceu em cinco em abril, subiu para sete em maio e voltou para cinco em junho, segundo informações divulgadas pelo Movimento Paulista de Segurança no Trân­sito (Infosiga-SP).

Os dados indicam estabili­dade em comparação com os seis casos de junho de 2020, mas no primeiro semestre des­te ano houve queda de 25%. Em relação a maio, a tendência também é de baixa, com duas ocorrências a menos no mês passado, recuo de 28,6%

Em seis meses do ano pas­sado ocorreram 44 óbitos em Ribeirão Preto, onze a mais que os 33 do primeiro semestre de 2021. Lembrando que, em janei­ro e fevereiro de 2020, Ribeirão Preto ainda não estava sob os efeitos das medidas restritivas impostas pela pandemia de co­ronavírus – as regras mais rígi­das da quarentena começaram a valer no final de março.

Entre 1º de janeiro e 30 de junho deste ano, 21 mo­tociclistas morreram na ci­dade (63,63%), além de cinco pedestres (15,15%) e qua­tro ciclistas (12,12%). Duas pessoas estavam de carro (6,06%) e uma de caminhão (3,04%). Dezoito vítimas mor­reram nos locais do acidente (54,55%). Doze chegaram a ser socorridas, mas não resistiram (36,36%). Não há informação sobre três casos (9,09%).

As vítimas são 22 homens (66,67%) e onze mulheres (33,33%) com idades entre zero e 74 anos. Quatro tinham entre 45 e 49 anos (12,12%). Onze es­tavam na faixa etária entre 18 e 34 anos (33,33%), sete tinham entre 35 e 44 anos (21,21%), três eram menores de 18 anos (9,09%) e as outras oito vítimas tinham entre 50 e 70 (24,25%).

Dezoito casos ocorreram em vias municipais (54,55%), doze em rodovias dentro do períme­tro urbano (36,36%) e os locais de três dos óbitos não foram dis­ponibilizados (9,09%). Durante o período mais crítico da pandemia, entre abril do ano passado e junho deste ano, foram registradas 77 mortes em Ribeirão Preto.

O Infosiga-SP atualizou os dados dos últimos anos e cons­tatou que o número de vítimas fatais em decorrência de aci­dentes de trânsito ficou estável em Ribeirão Preto em 2020, em comparação com 2019. Foram 71 óbitos contra 72 no períme­tro urbano da cidade – a malha viária é composta por 1,5 mil quilômetros de vias municipais e também de rodovias concedi­das pelo Estado –, um a mais em 2020 e alta de 1,4%.

No ano passado, foram dez mortes em janeiro, dez em fe­vereiro, oito em março, apenas três em abril, sete em maio, seis em junho, cinco em julho, três em agosto, seis em setembro, três em outubro, sete em novembro e quatro em dezembro. Entre abril e julho, a quarentena imposta pe­los decretos de isolamento social estava mais severa, mas foi flexi­bilizada a partir de agosto.

A queda no período da pandemia, entre abril e dezem­bro, foi significativa, de 31,2%, segundo dados do Infosiga-SP. Na comparação entre os dois períodos de nove meses – de abril a dezembro –, a quanti­dade de vítimas fatais recuou de 59 em 2019 para 44 no ano passado, queda de 25,4% e 15 mortes a menos.

Trinta e oito motociclistas morreram entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2020, mais da metade das vítimas fatais (52,8%). Treze eram pedestres (18%), nove estavam de bicicleta (12,5%), nove de carro (12,5%) e três não foram definidas (4,2%). A média é de aproximadamente uma morte a cada cinco dias.

Menos da metade das víti­mas chegou a ser socorrida – 34 pessoas (47,22%) foram levadas para hospitais e unidades de saúde, mas não resistiram aos ferimentos – e 38 morreram no local dos acidentes (52,78%). Cinquenta e nove das vítimas eram homens (81,94%) e 13 mu­lheres (18,06%). Foram 37 óbi­tos em vias municiais (51,39%), 27 em rodovias que cortam a cidade (37,5%) e oito casos sem identificação de local (11,11%).