Obra da UPA Oeste gera polêmica em RP

0
123
ALFREDO RISK

O vereador Alessandro Ma­raca (MDB) postou, nas redes sociais, um vídeo em que mos­tra declarações consideradas por ele como contraditórias e, portanto, mentirosas do se­cretário municipal da Saúde, Sandro Scarpelini, em relação à Unidade de Pronto Atendi­mento da rua Cuiabá, no Su­marezinho (UPA Oeste).

O vídeo mostra o secretário durante a reunião da Comissão Permanente de Seguridade So­cial, Saúde, Previdência e Assis­tência Social da Câmara, na última quinta-feira, 13 de fevereiro, em que Scarpelini afirma, reiteradas vezes, ter comunicado a imprensa que a UPA não estava concluída e precisaria de reformas.

As obras de adequação es­tão orçadas em R$ 2,28 milhões e foram anunciadas no final de janeiro. Pode custar R$ 380 mil a mais (20%) que o valor da obra original, de R$ 1,9 milhão. O prédio está pronto desde dezem­bro de 2016, mas não pode ser inaugurado porque faltam mão de obra e equipamentos. A pasta não tem recursos para contratar o pessoal necessário e vai repassar a administração para uma Organi­zação Social (OS).

A escolha da OS que vai ad­ministrar a UPA Oeste está na fase final e tem duas classifica­das: a Fundação de Apoio ao Ensi­no, Pesquisa e Assistência (Faepa), do Hospital das Clínicas da Facul­dade de Medicina da Universida­de de São Paulo (FMRP/USP), e a Associação Mahatma Gandhi, da cidade de Catanduva.

Segundo Scarpelini, a nova intervenção tem por objetivo corrigir erros do projeto original, entre eles a estrutura elétrica ina­dequada, pisos sem impermea­bilizante, ausência de protetores de parede, caixa d’água menor do que a necessária e rampa de entrada fora dos padrões ideais. A UPA foi entregue à prefeitura na gestão da então prefeita Dár­cy Vera (sem partido).

Em outro trecho do vídeo, o vereador publicou uma declara­ção do secretário ao programa Mentoria em Foco, da TV Tha­thi, exibido em 24 de setembro de 2018. Scarpelini afirma que a Unidade de Pronto Atendi­mento já estava pronta e que para inaugurá-la faltava apenas a contratação da OS. O proje­to que autorizou a prefeitura a contratar a parceira foi aprovado pelos vereadores em 5 de de­zembro de 2018. Com as novas reformas, a inauguração da uni­dade foi prorrogada pela terceira vez, e agora o prazo passou para o final deste ano.

Em nota ao Tirbuna, o se­cretário Sandro Sacarpelini rei­terou que sempre afirmou que as obras tinham problemas. Diz o texto: “Reitero, mais uma vez, que desde o início desta gestão, fui transparente e informei, pela imprensa e na Câmara Munici­pal, que não havia dinheiro para colocar a UPA Oeste em funcio­namento, além dos problemas estruturais que o projeto original que foi executado apresentava. Por isso a necessidade das adap­tações no prédio que serão feitas para ainda no segundo semestre, para colocar a unidade de saúde em funcionamento para atender a população”, finaliza.