A 25ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow) começa nes­ta segunda-feira, 30 de abril, com a expectativa de bater re­cordes, tanto de faturamento, quanto de público. Segundo o presidente Francisco Matturro, a expectativa é que o volume de negócios cresça entre 5% e 8% neste ano, quando o even­to vai completar 25 anos. Em 2017, a 24ª edição fechou com balanço positivo e faturamen­to estimado em R$ 2,2 bilhões, cerca de 13% acima do resulta­do de 2016, de R$ 1,95 bilhão – aporte de R$ 250 milhões.

Para 2018, segundo Mat­turro, a estimativa de vendas está entre R$ 2,31 bilhões e R$ 2,38 bilhões, entre R$ 110 milhões e R$ 180 milhões a mais. Ele acha muito difícil um crescimento de dois dígitos, mas diz que não é impossível chegar aos 10%. “Quem sabe podemos chegar até a uma ex­pansão de 10%, o que seria um ótimo resultado, pois estamos falando de um crescimento so­bre uma base que já tinha cres­cido em 2017”, avalia. O evento vai até sexta-feira, 4 de maio.

Para o dirigente, contribui­rá para esse crescimento, o fato de o país estar colhendo a se­gunda maior safra da história. “Há outra razão que estimula a compra de máquinas e equipa­mentos durante a Agrishow: as principais instituições financeiras que estarão na feira já anunciaram a não co­brança de uma taxa que pode representar uma redução de 3% no custo do equipamento, economia considerável num cenário de juros em queda”, lembra Matturro.

Há também a possibilidade de o preço dos equipamentos não se manter até a colheita da safra, em função da demanda aquecida, ou ainda dos fabri­cantes não conseguirem en­tregar as encomendas feitas mais para frente. “Todos esses fatores autorizam um otimis­mo em relação aos negócios na Agrishow 2018”, complementa Matturro. “Contribui ainda o fato de a feira se manter foca­da nos seus pilares básicos: é o local onde o produtor encontra inovação, tecnologia e conheci­mento”, finaliza.

A feira deve gerar cinco mil empregos diretos e indiretos. A Agrishow acontece entre os dias 30 de abril e 4 de maio de 2018, no Polo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Centro­-Leste (quilômetro 321 da Ro­dovia Antônio Duarte No­gueira), e ocupará uma área de 440 mil metros quadrados, com estandes de mais de 800 marcas do agronegócio. No ano passado, o público aumen­tou 4,6%, de 152 mil pessoas em 2016 para 159 mil, sete mil a mais. Para a 25ª edição são esperados mais de 160 mil vi­sitantes de 70 países.

Matturro, que presidirá a feira também em 2019, desta­ca que o tema em 2018 será o avanço tecnológico no campo. Entre a programação especial, haverá o Fórum da Inovação, com palestras e debates foca­dos no assunto. “A feira foi con­cebida para ser referência em tecnologia para o agronegócio. Estamos vivendo o mundo da conectividade, todas as máqui­nas hoje estão conectadas com satélites, os dados estão na nu­vem. A Agrishow está alinha­da com esse tema, 50% das startups no Brasil são voltadas ao agro e o Fórum da Inovação traz justamente isso”, afirma.

Segundo Francisco Mat­turro, o fato de o país estar co­lhendo a segunda maior safra da histórica aumenta ainda mais a importância da feira. “E o produtor rural é o grande responsável por esse feito. Ele faz parte do Brasil que dá certo e que estará na Agrishow”. Esse cenário positivo é reforçado pelo protagonismo do agrone­gócio para a economia do país. Neste ano, a Companhia Na­cional de Abastecimento (Co­nab) espera que a safra chegue a 226 milhões de toneladas, se­gunda maior safra de todos os tempos, perdendo apenas para a de 2017.

Entretanto, para sustentar o avanço na comercialização de máquinas, o setor precisa de recursos e mira no próximo Pla­no Safra, que deverá ser lançado pelo governo até o mês de junho. O setor reivindica melhorias para as linhas de crédito focadas na aquisição de máquinas. Os ingres­sos já estão à venda. Basta acessar o site oficial do evento (www.agrishow.com.br) e seguir as in­formações e instruções para a compra online, com desconto.

Para quem comprar via internet, o valor cai de R$ 50 (preço na bilheteria) para R$ 40. O pagamento pode ser fei­to via cartão de crédito. Quem adquirir o tíquete no guichê da feira terá de pagar com dinhei­ro ou cartão de débito. Não será permitida a entrada de menores de 14 anos desacompanhados pelos pais e/ou responsáveis. Para os visitantes que forem de carro ou moto à feira, o valor do estacionamento é de R$ 45. Para as caravanas e grupos, a Agrishow 2018 disponibiliza um sistema especial de venda de ingressos antecipados. Os organizadores dizem que não há mais vagas em hotéis.

João Carlos Marchesan, presidente da Associação Bra­sileira da Indústria de Má­quinas e Equipamentos (Abi­maq), lembra que a Agrishow é a maior feira do mundo a céu aberto. “Uma feira muito im­portante do agronegócio brasi­leiro, onde nós teremos reuni­dos aqui em Ribeirão Preto um volume muito grande de agri­cultores, pecuaristas, empresas, todos do agronegócio”, afirma.

O evento é uma iniciativa das principais entidades do agronegócio no país – Associa­ção Brasileira do Agronegócio (Abag), Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Asso­ciação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), Federação da Agricultura e da Pecuária do Es­tado de São Paulo (Faesp) e So­ciedade Rural Brasileira (SRB), e é organizado pela Informa Exhibitions, filial do Informa Group, maior organizador de eventos, conferências e treina­mentos do mundo.

Comentários