© Reuters/Denis Balibouse/ Direitos Reservados

A Pfizer/BioNTech disse nesta segunda-feira, 20 de se­tembro, que a sua vacina contra a covid-19 funciona para crian­ças de cinco a 11 anos. A farma­cêutica afirmou que buscará em breve a autorização dos Estados Unidos para aplicar o imunizan­te nessa faixa etária – um passo fundamental para o início da va­cinação de crianças.

A vacina fabricada pela Pfizer e seu parceiro alemão BioNTech já está disponível para qualquer pessoa com 12 anos ou mais em vários países, entre eles o Brasil. Mas com as crianças agora de volta à escola e a variante Delta extra-con­tagiosa causando um grande aumento nas infecções pediá­tricas, muitos pais estão aguar­dando ansiosamente para vaci­nar seus filhos mais novos.

Para crianças em idade escolar, a Pfizer testou uma dose muito mais baixa – um terço da quantidade que está em cada injeção dada agora. Mesmo assim, após a segunda dose, crianças de cinco a 11 anos desenvolveram níveis de anticorpos que combatem o coronavírus, diz o doutor Bill Gruber, vice-presidente sênior da Pfizer, à Associated Press.

A dosagem para crianças também se mostrou segura, com efeitos colaterais temporá­rios semelhantes ou mais leves que os experimentados pelos adolescentes, disse ele. “Acho que realmente acertamos no ponto ideal”, diz Gruber, que também é pediatra.

Ele informa que as empresas pretendem pedir autorização à FDA (órgão que regulamente o uso de medicamentos nos Es­tados Unidos) até o final do mês para uso emergencial nessa faixa etária. Em seguida, o pedido deve ser encaminhado a reguladores europeus e britânicos.

No início deste mês, o che­fe da FDA, Peter Marks, disse à Associated Press que sua equipe avaliará os resultados do estudo assim que a Pfizer entregar os dados. Marks espera saber em questão de semanas se as inje­ções são seguras e eficazes o su­ficiente para as crianças.