Plano SP fica mais restritivo

0
66
ALFREDO RISK/REPRODUÇÃO

O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta sexta­-feira, 22 de janeiro, a reclassi­ficação extraordinária do Pla­no São Paulo, sobre as regras de quarentena para o Estado. A região do 13º Departamento Regional de Saúde (DRS-XIII), que abrange mais 25 cidades, continua na fase laranja, mas aos finais de semana terá de respeitar a regras da fase ver­melha, na qual só podem fun­cionar os serviços essenciais.

A mesma regra será aplicada de segunda à sexta-feira, a partir das 20 horas e até as seis da ma­nhã do dia seguinte. A região de Ribeirão Preto está na fase laran­ja desde o dia 18. O novo perío­do de quarentena no Estado de São Paulo começa a valer nesta segunda-feira, dia 25, e segue até 7 de fevereiro – uma nova atua­lização será anunciada no dia 5. Até lá, nenhuma região poderá avançar às fases amarela e verde, as mais flexíveis em relação ao atendimento presencial. As regi­ões de Barretos e Franca regredi­ram para a fase vermelha.

Duarte Nogueira: “Temos que diminuir essas taxas de contaminação, não podemos deixar acontecer o pior, tem que seguir as regras de distanciamento”

O aumento de casos e de in­ternações de pacientes com co­vid-19 fez com que a ocupação de leitos em Unidades de Tera­pia Intensiva (UTIs) crescesse. Este é o principal motivo da re­gressão na quarentena. O índice, no Estado, passou de 67,5% para 71,1%, com 18,9 vagas exclusi­vas para coronavírus a cada 100 mil habitantes. Com os dados epidemiológicos semanais di­vulgados nesta sexta-feira (22), a média estadual passou de 287,9 para 348,6 novos casos a cada 100 mil habitantes.

A taxa de novas internações subiu de 49,3 para 54,1 a cada. Assim, o Estado endureceu o parâmetro de ocupação UTI de 80% para 75% para a fase vermelha e também cancelou a realização de cirurgias eletivas. Diante do recrudescimento da pandemia, a volta às aulas no Es­tado, que estava prevista para 1º fevereiro, passa a ser opcional, e não será mais cobrada dos alu­nos a presença nas salas de aula.

Fase laranja
Na fase laranja, academias, salões de beleza e cabeleireiros, barbearias, restaurantes, cine­mas, teatros e parques estaduais e municipais passaram a fun­cionar na fase laranja e podem abrir oito horas por dia, com capacidade máxima de 40%. O comércio tradicional de rua e dos quatro shopping centers de Ribeirão Preto – RibeirãoSho­pping, Santa Úrsula Shopping, Shopping Iguatemi e Novo Sho­pping –atendem no máximo até oito horas por dia, com 40% da capacidade máxima prevista em alvará. Nos dois próximos finais de semana (dias 30 e 31 de janei­ro e 6 e 7 de fevereiro), nenhum desses serviços poderá atender.

Todas as demais atividades liberadas podem funcionar por até oito horas diárias, e não mais apenas quatro, e a capacidade de público tam­bém sobe de 20% para 40%. Porém, os estabelecimentos devem encerrar o atendimen­to presencial às 20 horas.

Nos restaurantes e lojas de conveniência, a venda de bebi­da alcoólica também é permi­tida até as 20 horas. Também não poderão abrir aos finais de semana. Após este horário, po­dem atender nos sistemas “take out (pegue e leve)”, “delivery (entrega em domicílio)” e “dri­ve thru (entrega sem descer do carro)”. O consumo local em bares é proibido.

Manifestação
“Não adianta fazer manifes­tações”, disse o prefeito Duarte Nogueira (PSDB) em entre­vista coletiva no Palácio Rio Branco, referindo-se ao fato de comerciantes e outros empre­sários protestarem para forçar o avanço da cidade na reclassi­ficação do Plano São Paulo.

“Temos trabalhado para melhorar as algumas variáveis como leitos de internações e enfermarias, mas não temos controle de outras (variáveis da epidemia). Temos que di­minuir essas taxas de conta­minação. Não podemos deixar acontecer o pior. Tem que se­guir as regras de distanciamen­to”, emenda o prefeito.

Fase vermelha
Na fase vermelha podem abrir apenas estabelecimentos que prestam serviços essenciais como supermercados, pada­rias, açougues, bares, lancho­netes e restaurantes (desde que não haja consumo no local), farmácias, drogarias, bancos (seguindo as regras de distan­ciamento e higienização), pos­tos de combustíveis, serviços de limpeza, segurança, trans­porte (ônibus, táxis e aplicati­vos) e abastecimento.

Fase amarela
A fase amarela atual permi­te 40% de ocupação presencial para todas as atividades libera­das, incluindo parques estadu­ais, e expediente geral de até dez horas diárias. O atendimento presencial tem de ser encerrado às 22 horas em todos os setores. Nos bares, as portas devem fe­char ao público mais cedo, às 20 horas. Atividades não essenciais que geram aglomeração, como festas, baladas e shows continu­am proibidas.

A região do DRS XIII é forma­da por Ribeirão Preto, Altinópolis, Barrinha, Batatais, Brodowski, Cajuru, Cássia dos Coqueiros, Cravinhos, Dumont, Guariba, Guatapará, Jaboticabal, Jardinó­polis, Luis Antônio, Monte Alto, Pitangueiras, Pontal, Pradópolis, Santa Cruz da Esperança, Santa Rosa de Viterbo, Santo Antônio da Alegria, São Simão, Serra Azul, Serrana e Sertãozinho.

Critérios que colocam a região na fase laranja
Segundo boletim da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), usado pelo Estado como parâmetro de análise do Plano São Paulo, na quinta­-feira, 21 de janeiro, as 26 cidades da área de atuação do 13º Departamento Regional de Saúde (DRS-XIII) estavam com ocupação de 73,1% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Na semana anterior era 70,9% e, até dia 7, de 57,2%. Este critério tem o maior peso para determinar em qual afase uma região estará. A taxa dos últimos 14 dias consolidados em 21 de janeiro era de 15,4 vagas de terapia intensiva para cada 100 mil habitantes (era de 13,4 até dia 14 e de 11,8 até dia 7). Estes critérios têm peso maior na avaliação.

Raio-X da covid-19 em Ribeirão Preto: atividades econômicas serão interrompidas às 20 horas durante a semana e aos sábados e domingos

Outros três critérios do Plano São Paulo ajudaram a manter a região na fase laranja. Agora são 307,3 novos casos para cada grupo de 100 mil habitantes (era de 251,7 até dia 14 e de 181,4 até dia 7), 55,5 internações para cada 100 mil moradores (era de 47 e 36,7, respectivamente) e 5,7 novos óbitos por 100 mil pessoas (era de 4,5 no dia 14 e de 3,6 no dia 7). A ocupação de leitos de UTI coloca a região na fase laranja, já o número de leitos por 100 mil habitantes levaria a área do DRS-XIII para a verde. Os outros três critérios – evolução de casos, novas internações por 100 mil habitantes e incidência de óbitos – deixariam Ribeirão Preto e as demais 25 cidades na fase amarela. Para avançar à fase verde do Plano São Paulo, cada região passa a precisar alcançar 30 internações por 100 mil habitantes e três mortes por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, além de passar 28 dias seguidos na fase amarela antes de avançar. Os critérios de saúde na fase laranja também ficam mais rígidos. O limite máxi­mo da taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) passa de 75% para 70% em cada região.

Os horários da fase laranja do Plano SP
COMÉRCIO EM GERAL
Oito horas por dia
De segunda a sábado
Entre 6 e 20 horas
Capacidade: 40%
Fim de semana: fechado

SHOPPING CENTERS
Oito horas por dia
De segunda a domingo
Entre 6 e 20 horas
Capacidade: 40%
Fim de semana: fechado

BARES
Atividade não permitida

RESTAURANTES E LOJAS DE CONVENIÊNCIA
De segunda à sexta-feira
Oito horas por dia
Entre 6 e 20 horas
Limite: 20 horas
Venda de bebida alcoólica
Até as 20 horas
Capacidade: 40%
Fim de semana: fechado

PERMANÊNCIA DE CLIENTES
Até as 20 horas

ACADEMIAS
Das 6 às 20 horas
Capacidade: 40% do
previsto em alvará
Fim de semana: fechado

SALÕES DE BELEZA E ESTÉTICA
De segunda a sexta-feira
Das 6 às 20 horas
Capacidade: 40% do
previsto em alvará
Fim de semana: fechado

PARQUES, CINEMAS, TEATROS E AFINS
Oito horas por dia
Capacidade: 40%
Fim de semana: fechado