Pneumonia – Final

0
16

Em matéria anterior, estampada aqui mesmo neste espaço, tive­mos a oportunidade de tecer comentários a respeito da pneumonia, uma doença respiratória bastante frequente na população, sendo responsável por um grande número de óbitos e, considerados evitáveis em um grande número de casos.

Isso mesmo. Há evidências em diversas estatísticas que chegam a ser alarmantes o número de óbitos devido à pneumonia. Analisando o mapa da pneumonia concluímos que ainda estamos muito aquém do desejável no sentido de se prevenir a ocorrência da pneumonia em nosso país. As idades extremas da vida, no caso as crianças de até quatro anos de idade e os idosos acima de 60 anos necessitam uma abordagem especial para uma cobertura vacinal mais eficiente.

Isso por que a vacina contra a pneumonia existe e é bastante eficiente. Mas o que ocorre é que enormes contingentes de candidatos elegíveis para receber a vacina ainda ficam fora da vacinação comple­te. No caso das crianças a vacina completa contra a pneumonia tem que ser administrada em quatro doses isto é: aos dois, quatro, seis meses e com um reforço aos 15 meses. E no caso dos idosos a vacina contra a pneumonia tem que ser administrada uma vez por ano.

A pneumonia pode apresentar sintomas semelhantes aos de um resfriado e gripe, só que com um agravante: todos os sintomas são mais exuberantes e a pessoa tem um estado geral comprometido, a pessoa fica prostrada, com dor no peito, tosse com a eliminação de catarro amare­lado e por vezes com a presença de sangue, a falta de ar é uma constante e a pessoa não consegue respirar direito, a febre é alta , a pessoa não tem apetite e só quer ficar deitada. Esse é um conjunto de sinais e sintomas altamente sugestivos da presença de uma pneumonia.

No entanto, como o corpo humano é uma máquina complexa, pode haver casos de uma pneumonia em que alguns desses sintomas podem estar presentes, mas não com tanta evidência e em alguns ca­sos até ausentes, mas a doença está instalada. Há que dizer ainda que para um diagnóstico mais preciso o médico encarregado do caso dis­põe ainda dos exames físico, laboratoriais e de imagens, principalmen­te do Raio X de tórax, que é capaz de formar uma imagem altamente sugestiva de pneumonia sendo quase sempre desnecessários outros exames de imagens mais sofisticados para se fechar o diagnóstico.

Assim o profissional médico pode lançar mão dos antibióticos que são os medicamentos de escolha para combater a infecção, além de sintomáticos e de medidas de suporte como uma alimentação adequa­da e uma hidratação abundante.

Dependendo da gravidade o tratamento da pneumonia pode ser domiciliar, nos casos menos graves, reservando-se o tratamento hospitalar para os casos considerados graves ou de maior risco para evoluir para complicações.

Como já havia comentado aqui, a pneumonia leva tanta gente ao óbi­to é devido ao fato de que ela é uma doença de evolução rápida podendo acometer um dos pulmões apenas ou ambos e atingindo toda a superfí­cie pulmonar podendo o agente causador atingir a corrente sanguínea e causar uma infecção generalizada, que nós chamamos de septicemia.

Por isso é que aos primeiros sinais e sintomas sugestivos de pneumonia notadamente nas crianças pequenas, nos idosos acima de 60 anos ou de pessoas portadoras de doenças crônicas, uma consulta médica deve ser realizada com a maior rapidez, seja no pronto aten­dimento de qualquer hospital, pronto socorro ou UPA ou com o seu médico preferido para que seja firmado o diagnóstico da infecção pul­monar e instituído o tratamento. Nesses casos a evolução da doença é favorável e a pessoa tem a sua cura restabelecida.

Se a pessoa tiver uma ou mais doenças crônicas associadas como hipertensão, diabetes ou qualquer doença relacionada com o sistema imunológico como doenças da tireóide (hiper ou hipotireoidismo), artrite ou quaisquer outras, essas devem ser tratadas energicamente, bem como se a pessoa for portadora de qualquer doença respiratória crônica como asma, bronquite, rinite ou sinusite também precisam ser abordadas com energia. E, finalmente, a pessoa não deve fumar de jeito nenhum. Assim, a pessoa pode ter uma vida saudável o que pos­sibilita ficar livre de uma pneumonia. E é isso que eu, doutor Adão, desejo para você: que você tenha uma vida longa e feliz.

Comentários