Jornal Tribuna Ribeirão

Pobreza menstrual e os vetos do Executivo

Foi há 18 anos. Em 02/10/2003, eu era vereador e apresentei à Câmara Municipal de Ribeirão Preto um projeto que previa a criação de um progra­ma de distribuição gratuita de absorventes para mulheres que não tivessem condições econômicas de comprá-los. Ele recebeu o número 1276/2003 e era semelhante a estes que são discutidos hoje pela sociedade em nível local e nacional. De lá pra cá, o debate se ampliou e se qualificou, e essa justa rei­vindicação adquiriu importância fundamental nos movimentos de mulheres. Mas a tentativa de transformar em lei este direito tem esbarrado nos vetos do Poder Executivo, aqui e alhures.

Voltando ao nosso projeto, depois de um ano de tramitação, requeri urgência para a sua votação, no que fui atendido pelo plenário da Câmara. Mesmo com parecer contrário da Secretaria da Saúde, e também com um pa­recer inicial contrário da Comissão de Legislação, Justiça e Redação (CLJR), o projeto foi aprovado na sessão do dia 10/12/2004.

Gostaria de lembrar parte da justificativa do projeto: “Sabemos de casos, em que adolescentes muito pobres utilizam pano usado para limpar chão como absorvente, devido a não terem condições de comprar absorventes todo mês. Sendo assim, diante de tal necessidade, apresenta-se o referido projeto na tentativa de colocar fim a este terrível problema, zelando pela saúde das nossas munícipes”. Na verdade, este projeto foi articulado com a Casa da Mulher, cuja declaração de utilidade pública municipal fora aprovada pela Câmara, por outro projeto de nossa autoria, um ano antes.

O projeto acabou vetado pelo prefeito Gasparini (PSDB) e o veto foi aco­lhido pela Câmara na sessão do dia 05/03/2005. Haviam mudado o prefeito e a Câmara. Saíra o PT e entrara o PSDB. A CLJR, então comandada pelo PT, mudou o parecer de contrário a favorável, depois que o seu candidato a prefeito foi derrotado, e enviou o projeto ao plenário. Deixou o ônus do veto para o novo prefeito.

O interessante é que, depois de 18 anos, os argumentos são os mesmos. Grande parte dos projetos aprovados pelos vereadores é vetada por incons­titucionalidade, vício de iniciativa ou falta de previsão orçamentária. Isso mostra a grande limitação do Poder Legislativo, principalmente no municí­pio, mas revela também outras questões. Quero trazê-las ao debate, pois são oportunas. As bancadas femininas dos legislativos tem defendido muito bem esses projetos quanto ao mérito e não teria muita coisa a acrescentar. Discuto aqui a questão processual na relação entre Legislativo e Executivo.

Mesmo projetos que a Câmara tranquilamente pode aprovar, dentro da sua competência legal, são vetados pelos prefeitos com o “carimbão” de sem­pre, independentemente de partido. Raramente quando a Câmara derruba o veto e a Prefeitura recorre ao Tribunal de Justiça, este dá ganho de causa à Câmara. Mas há casos em que a Câmara derruba o veto e a Prefeitura não recorre ao TJ. O prefeito lava as mãos. Por trás, jogadas políticas ou… incom­petência de perder o prazo para vetar. Meu primeiro projeto, ao chegar na Câmara, foi promulgado pela Mesa Diretora por perda de prazo do Executi­vo para o veto. Guardo-o com imenso carinho! Ainda voltarei ao assunto.

Percebe-se aí que há necessidade de se relativizar a denúncia de que a Câmara de Ribeirão é a mais inconstitucional do Estado, por aprovarem muitos projetos inconstitucionais. Reconheço que nas últimas legislaturas, a Câmara tem sido mais rigorosa e vem ocorrendo um número menor de vetos do Executivo.

Por outro lado, nem sempre um projeto que deveria ser vetado, na verdade o é. Entram em cena os interesses políticos, alguns até escusos. A Sevandija poderia ter investigado a fundo a relação entre Executivo e Legislativo em Ribeirão Preto, através dos projetos de lei. Não o fez, sabe-se lá porquê. Ia encontrar “preciosidades”. Tanto hoje quanto no passado, o que prevalece mesmo é a vontade do prefeito e não a da Secretaria de Justiça. Vi na minha época, e ainda vejo hoje, projetos de criação de programas, como este por mim apresentado, e mesmo outros, serem aprovados pela Câmara e promulgados pelo Executivo. Ser da base ou ser da oposição, nesse momento, faz diferença. E muita.

São questões que, muitas vezes, passam longe do grande público, mas que vale a pena trazer ao debate. Isso demonstra que há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar nossa vã filosofia!

Deixe o seu comentário:

Mais notícias

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com