Gosto de pensar que só tem autoridade aquele que fala, age, vive e se convence pela coerência e por meio do bom senso. Geralmente, as pessoas constituídas de autoridade, quando incoerentes entre o que pensam, falam e fazem, são fortes diante dos fracos, porém fracas diante dos fortes. Forte é quem age com sabedoria e transparência. Forte é quem cumpre com a palavra e convence pelo exemplo de vida. Forte é o amigo da verdade e que não consegue mentir, nem que o sistema no qual se encontra inserido, ou a sociedade hipócrita que lhe impõe viver de aparências, tentem induzi-lo à mentira, não poucas vezes deslavada e vergonhosa.

O projeto que pune abuso de autoridade de juízes e pro­curadores e que ainda é criticado pelo Judiciário continua tramitando no Congresso Nacional. O maior interessado em intimidar principalmente os juízes da Lava Jato é Renan Ca­lheiros, ex-presidente do Senado Federal, que há anos tenta atrapalhar as investigações a seu respeito como de “amigos de falcatruas” que enriqueceram ilicitamente, desviando valores volumosos de seus destinos, lesando desse modo milhões de brasileiros de seus direitos e acesso à saúde, educação, segu­rança, infraestrutura e necessidades básicas.

É no mínimo estranho que se busquem foros privilegiados aos que, eleitos para servir a nação, simplesmente a roubam e ainda se sentem no direito de vergonhosa blindagem. A lei deve ser aplicada a todos igualmente: aos que roubam um pote de margarina num supermercado, e que geralmente são presos em flagrante, como aos que roubam milhões de reais para viverem escandalosamente enriquecidos com o suado dinheiro destinado ao bem-estar dos brasileiros, que tantas vezes são vítimas de vilões vestidos de terno e gravata, posan­do de “senhores da lei”.

Os que legislam em proveito próprio e em detrimento dos trabalhadores honestos deste País campeão da disparidade entre pobres e falsos ricos. Penso nos falsos ricos, quando me refiro àqueles que só conseguem enriquecer materialmente “roubando, corrompendo e desviando” dinheiro alheio. Penso no senador Roberto Requião, que igualmente incita seus cole­gas de Senado a “calarem juízes e procuradores da República” com a desculpa de hermenêutica equivocada em relação à corrupção, caixa 2 e verbas desviadas de suas verdadeiras finalidades. Blindar homens públicos como esse, é institucio­nalizar o crime de maus políticos!

Como se faz necessário que o Poder Judiciário seja mais ágil no julgamento dos processos! Que as sentenças não se reduzam a prisões, delações (colaborações) premiadas, mas na repatriação dos valores roubados. Se a Justiça fizer com que sejam devolvidos os rombos da corrupção, da propina, de caixa 2 e de tantos outros desvios de verbas, seguramente não faltariam recursos para a Saúde, Educação, Previdência Social, Segurança, Necessidades Básicas de nosso Povo que é bom, pacífico e não merece continuar sendo enganado por uma dezena de maus políticos, que comprometem toda a classe e semeiam desesperança no coração de um povo tão cheio de vida e de esperança por dias melhores.

Comentários