Jair Bolsonaro's official Twitter account/AFP

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na tarde desta segun­da-feira, 11, ao programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes, que espera que receba alta ainda nesta semana. Ele está internado desde 27 de janeiro no Hospital Israelita Albert Einstein, onde fez cirurgia para reconstrução do trânsito intestinal.

“Estou me recuperando. Tive o problema de ter adquiri­do uma pequena pneumonia há uma semana. Se não fosse isso, eu poderia até estar de alta já. Se Deus quiser, esta semana terei alta”, disse o presidente ao jorna­lista José Luiz Datena.

Na curta entrevista, conce­dida pelo telefone, Bolsonaro lamentou ainda a morte do jor­nalista Ricardo Boechat, colega de emissora de Datena. “A voz de Boechat fará falta”, comentou.
De acordo com o presiden­te, o ministro-chefe do Gabine­te de Segurança Institucional, Augusto Heleno, vai a São Pau­lo nesta terça-feira, 12, para o velório de Boechat.

Melhora clínica
Duas semanas após uma cirurgia para retirada da bolsa de colostomia, o presidente Jair Bolsonaro apresentou melho­ra “progressiva” e recebeu alta da terapia semi-intensiva do Hospital Albert Einsten, diz boletim médico divulgada pela instituição nesta segunda-feira (11). Além disso, o presidente começou a se alimentar com uma “dieta leve” e foi suspen­sa a nutrição que recebia pela veia. Está mantido um suple­mento nutricional.

Até então, Bolsonaro estava recebendo apenas alimentação cremosa A evolução da dieta é uma das condições para alta do presidente De acordo com o bo­letim, ele não apresenta dor ou febre e segue com melhora do quadro pulmonar após ter sido diagnosticado com pneumonia na semana passada.

“Estão sendo mantidas as medidas de prevenção de trom­bose venosa, realizados exercí­cios respiratórios, de fortaleci­mento muscular e períodos de caminhada fora do quarto. Por ordem médica, as visitas per­manecem restritas”, atesta o bo­letim. As visitas permanecem restritas, por ordem médica. Nesta segunda-feira, 11, Bolso­naro recebeu o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para uma conversa de aproxi­madamente 20 minutos.

Comentários