rede social

Na delegacia, o acusado negou ter cometido os crimes 

 

Policiais civis prenderam nesta quinta-feira (10) o suspeito de cometer estupros na cidade de Pitangueiras.

A Seccional da Polícia Civil em Sertãozinho informou que a autoria dos crimes foi confirmada por exames de DNA em quatro ataques contra mulheres.

Rodolfo Aparecido de Souza, 37, que trabalha em uma usina em Sertãozinho, foi detido no local de trabalho, acusado de cometer os crimes.

O delegado da seccional de Sertãozinho, José Carvalho de Araújo Jr., disse que a polícia conseguiu identificar a autoria através de denúncia anônima.

Araújo Jr. comentou que a investigação usou a estratégia de “convidar todos para fornecer material biológico, sangue, para exame. Ele, o suspeito, concordou, fizemos a coleta e o material foi levado ao laboratório. Em confronto com o material biológico coletado no corpo das vítimas e nos locais de crime, restou positivo com 100% de segurança em quatro casos de roubo seguido de estupro”, afirmou o delegado.

Ainda, segundo o delegado, além de Pitangueiras, Rodolfo também estaria relacionado a crimes cometidos em Sertãozinho e, que o suspeito conhecia a rotina das vítimas e trabalhava, inclusive, com familiares delas. 

Araújo Jr. esclareceu também que “o modo de agir é que o marido estava trabalhando, aí ele aproveitava, seguia para a casa da vítima, aí ele praticava o estupro e o roubo. Sempre ameaçava a vítima com faca ou chaves de fenda”, relatou.

O suspeito, na delegacia, refutou a acusação da polícia civil, e negou a autoria dos crimes, dizendo que o resultado de exame de DNA teria sido “armado” para que fosse preso.

Rodolfo reagiu e falou que não era ele o culpado. “Se fosse eu, eu ia dar o meu sangue para falar que foi eu?”, e mencionou ter três filhos. 

A prisão do suspeito de cometer os estupros é temporária e, por ser crime hediondo, válida por 30 dias.

O delegado José Carvalho de Araújo Jr. Informou que solicitará para que a prisão seja transformada em preventiva. O suspeito foi levado para a cadeia pública de Pradópolis e à disposição da Justiça.

Comentários