RAFAEL ALVES/COMERCIAL FC

A confusão registrada no estádio Palma Travassos após a derrota do Comercial para o Noroeste na última rodada da Série A3 antes da paralisação ganhou um novo capítulo. Por conta do incidente, a Promo­toria de Justiça Criminal de Ribeirão Preto recomendou à Federação Paulista de Fute­bol a proibição da presença da torcida Mancha Alvinegra em jogos no estádio.

A medida seria válida a partir do momento em que os estádios puderem receber público e o prazo da punição depende da aceitação da FPF. O promotor Paulo José Freire Teotônio também pede à FPF uma advertência aos direto­res da organizada.

Procurado para falar do assunto, o Comercial não respondeu a solicitação fei­ta pelo Tribuna. Já a torcida Mancha Alvinegra afirmou que por se tratar apenas de uma recomendação da pro­motoria, não iria se posicio­nar sobre o tema.

O protesto dos torcedores após o revés para o Noroeste aconteceu num momento em que está proibida a presen­ça de público nos estádios. O Comercial não informou como o grupo de torcedores teve acesso as dependências do Palma Travassos.

Apesar da repercussão negativa e da reclamação pú­blica do presidente Ademir Chiari sobre a invasão. Em nota, as torcidas do Leão do Norte afirmaram que o pro­testo foi pacífico e sem maio­res problemas. Na ocasião, o pedido era pela saída do téc­nico Fahel Júnior, que foi de­mitido semanas depois.