‘Quero abraçar Silvio Santos’

0
69
JF PIMENTA

O que você faria para co­nhecer pessoalmente o seu ídolo? Há muitas histórias de fãs, algumas consideradas ‘loucuras’. Há quem gaste to­das as economias para ficar no mesmo hotel do ídolo. Ou quem fique dias em uma fila para ter um lugar privi­legiado em um show. Monta acampamento em frente à moradia do famoso. Enfim, os atos são diversos.

Dênis Calefe, 44 anos, des­de os sete anos de idade quer conhecer Sílvio Santos. Não teve sucesso ainda. Mas não mede esforços para tal. A pai­xão virou até negócio: Calefe montou um bar temático em Ribeirão Preto, com estátua, objetos e muitas coisas que re­metem ao ‘homem do Baú’.

ALFREDO RISK

Ele diz que a paixão vem desde criança. A irmã e ami­gos o chamavam para ir ao Ipanema Clube passar o do­mingo na piscina, mas ele preferia ficar em frente à TV, vendo os programas do Silvio Santos. “Tinha sete anos. Foi ai que nasceu minha admira­ção. Sou fã desde essa época”. Eu faço de tudo pra chegar no ‘papai’ (como se refere muitas vezes ao apresentador)”.

Dênis já invadiu um link ao vivo de um programa de TV com uma plaquinha di­zendo que queria conhecer Silvio Santos, mas desistiu de ficar no local porque um se­gurança não gostou e correu atrás dele. Invadiu três vezes a plateia de um teatro onde o programa seria gravado, foi nas portas da casa e de um hotel de propriedade do apresentador, no Guarujá. Nenhum resultado positivo.

“O mais perto foi quando fiquei do lado de fora do estú­dio dele, porque homem não entra. Só ouvia a voz dele, mas não pude vê-lo”, conta. “Tam­bém já levei minha mulher no SBT para assistir o programa dele. Ela entrou e travou. Não conseguiu falar nada na hora. Eu fiquei de fora”, acrescenta. “Até pensei em me vestir de mulher para entrar, vê-lo de perto e dar o abraço. Mas achei melhor não (risos)”.

Calefe também investe tempo e dinheiro no sonho. Mandou fazer dez mil pan­fletos para serem distribuí­dos próximos à casa de Silvio Santos e do SBT. Faz cartazes e faixas para tentar sensibili­zar as pessoas. A expectativa é a de alguma pessoa próxima do ‘peru falante’ ou da famí­lia pode ver e se sensibilizar. Com o mesmo intuito faz campanhas em redes sociais. Tudo pensando no encontro.

O bar temático também foi com esse propósito, de chamar a atenção. Quase tudo é relacionado ao dono do SBT. “O pessoal adora ver as coisas do bar, principal­mente tirar selfie com a está­tua que mandei fazer”. Conta. “Mas o movimento tá fraco,” reclama. “Comecei a traba­lhar de UBER para comple­mentar senão…”.

No bar, localizado no cru­zamento das ruas Luiz Barreto com Pinheiro Machado, nos Campos Elíseos, Dênis faz pro­moções com outros apresenta­dores do SBT. Cada apresenta­dor (Patrícia Abravanel, Eliana, Celso Portioli, Ratinho, Maísa e Sílvio Santos) equivale a um valor em dinheiro que varia de R$ 1 a R$ 3. A cada R$ 30 gas­tos, o cliente joga o Dado. “Se o cair o papai ganha R$ 3,00, pode levar o dinheiro ou gastar novamente,” explica.

Aguarda filme nas telonas
Enquanto planeja novas tentativas, com participa­ções em programas de TV e entrevistas sobre sua paixão curiosa, Calefe também tem ansiedade pela estreia do fil­me sobre Silvio Santos. O longa deve estrear no dia 12 de janeiro, aniversário de Se­nor Abravanel e contará um momento dramático da vida do apresentador: o sequestro da filha Patrícia Abravanel.

A cinebiografia de ‘Silvio Santos – O Sequestro’ terá produção de Maurício Eça (Carrossel – O Filme). Rodri­go Faro interpretará o apre­sentador. Apesar de ser uma narrativa com o enfoque no sequestro ocorrido em agosto de 2001, haverá memórias de Silvio Santos, como por exem­plo, quando ele era vendedor ambulante. Denis promete ser um dos primeiros na fila.

Comentários