FL PITON/ CCS

A reforma da Unidade Bá­sica de Saúde (UBS) Professor Zeferino Vaz, na rua Cesar Montagnana nº 35, a UBS do Quintino Facci I, na Zona Nor­te de Ribeirão Preto, atrasou de novo. O prazo para entrega passou para fevereiro de 2020. O posto foi fechado em 1º de novembro de 2017 com previ­são de reinauguração para um ano depois.

Porém, o início da inter­venção sofreu novo atraso e a expectativa era que a reforma terminasse neste ano. Agora, passou para o primeiro bimes­tre de 2020.

As obras foram recomen­dadas pela Divisão de Vigilân­cia Sanitária e chegaram a ser paralisadas no início de 2019, mas foram retomadas há cerca de dois meses.

Em nota enviada à redação do Tribuna, a Secretaria Mu­nicipal da Saúde informa que “como toda obra, no decorrer dela, foram surgindo ajustes que o projeto inicial não pre­via. Porém, Já foram concluí­dos mais de 40% da obra de re­forma e ampliação da unidade de saúde”, diz o comunicado.

A intervenção também vai custar 28,36% a mais: o valor saltou de R$ 895.855,31 para R$ 1.149.945,43. A pasta diz ainda que nenhum paciente foi afeta­do, “já que os atendimentos fo­ram redirecionados às unidades de saúde mais próximas.” A re­forma começou em 20 de agosto de 2018, quase um ano depois do fechamento do posto.

A UBS tem 380 metros qua­drados de área construída e, com a ampliação, passará a ter 800 m² edificados em terreno de 1.052,44 metros quadrados.

O processo licitatório foi finalizado em 18 de julho. A Construsantos Comércio e Construção Civil, de Bro­dowski, venceu o certame por R$ 895,85 mil, 30,5% a menos do que o valor previsto em edi­tal, de R$ 1,29 milhão, econo­mia de R$ 394,15 mil. Agora, porém, o valor saltou para per­to de R$ 1,15 milhão.

Com 30 anos de construção e sem nunca ter sido reforma­do, o prédio do Quintino Facci I foi fechado por causa dos ris­cos que o imóvel deteriorado apresentava a funcionários e pacientes. O dinheiro é prove­niente do governo federal por meio de emenda parlamentar aprovada pelo então deputado federal e hoje prefeito Duarte Nogueira Júnior (PSDB).

Até a reabertura, a maior parte do atendimento que era feito na UBS do Quintino Facci I – pediatria, ginecologia, clíni­ca médica, coleta de exames e curativo – continuará sendo feita na UBS da Vila Mariana, na mesma região.

Antes de ser fechada, a UBS Professor Zeferino Vaz atendia em média 200 pa­cientes por dia em cinco es­pecialidades médicas.

De acordo com o me­morial descritivo, a reforma contemplará adequações dos espaços físicos voltados à acessibilidade e conforto dos usuários e outras interven­ções como recepção, arqui­vo, salas de espera amplas, banheiros adaptados para usuários e funcionários com necessidades especiais, fral­dário, sete consultórios e três salas de pré-consultas.

A ampliação prevê ainda farmácia com sala de atendi­mento farmacêutico, almo­xarifado, salas de primeiros atendimentos, de curativos, de vacinas, de coleta e medicação, de inalação, consultório odon­tológico com equipamentos para duas equipes, sala de raio­-X odontológico, duas salas de atendimento em grupo e reu­niões, sala da gerência, ex­purgo e esterilização, copa e vestiários para funcionários, depósito de materiais de lim­peza e abrigo adequado para depósito de resíduos comuns e infectantes.

Comentários