JF PIMENTA/ARQUIVO TRIBUNA

A Secretaria da Educação de Ribeirão Preto disponibi­lizou para consulta pública o novo currículo da rede muni­cipal de ensino. O documen­to, que pode ser acessado no portal da pasta, foi reformu­lado pelo Centro de Acom­panhamento, Avaliação e Formação (Caaf) e por toda a equipe de formadores da rede municipal, com base nas propostas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

“O novo currículo foi ela­borado com uma perspectiva integradora e interdisciplinar de todas as áreas, com foco na educação inclusiva, e será uma diretriz para o Ensino Infantil, Ensino Fundamen­tal e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Em setem­bro, ele será encaminhado para aprovação do Conselho Municipal de Educação para implantação no ano letivo de 2020”, afirma o chefe da pas­ta, Felipe Elias Miguel.

Miguel ressalta que o novo currículo também irá direcio­nar as escolas conveniadas, os sete novos Centro de Educação Infantil (CEI) que serão admi­nistrados por Organizações Sociais (OS’s). As escolas par­ticulares de educação infantil podem utilizar o material por adesão, visto que são fiscaliza­das pela Secretaria Municipal da Educação.

Ainda de acordo com o se­cretário, a reformulação con­siderou os documentos nor­teadores da rede, construídos anteriormente, e contou com a efetiva participação dos co­ordenadores pedagógicos da pasta, dos professores e gesto­res na organização dos quadros curriculares.

“Esse documento é fruto da necessidade de atualizar­mos os documentos nortea­dores de nossa rede (Parâme­tros Curriculares da Educação Infantil, Referencial Curricu­lar – Anos Iniciais e Referen­cial Curricular – Anos Finais) à Base Nacional Comum Cur­ricular, documento normati­vo publicado ao final de 2017 pelo governo federal, e que propõe o regime de colabo­ração com as redes estaduais. Em Ribeirão Preto, adotamos o regime de colaboração com o Estado de São Paulo”, afirma a coordenadora do Caaf, Ma­risa Stela Furlan Ennes.

O documento em questão co­meçou a ser construído em 2018, junto aos professores, coordena­dores e gestores da rede munici­pal de ensino, com a participação, também, das escolas convenia­das, por meio de consultas vir­tuais e de encontros presenciais. “É importante que os pais e os próprios alunos analisem o novo currículo e nos enviem suas su­gestões. Os conselhos e professo­res também podem consultar o material”, conclui Miguel.

Base Nacional Comum Curricular
Conforme definido na Lei de Diretrizes e Bases da Edu­cação Nacional (LDB, Lei nº 9.394/1996), a Base Nacio­nal Comum Curricular deve nortear os currículos dos sis­temas e redes de ensino das Unidades Federativas, como também as propostas peda­gógicas de todas as escolas públicas e privadas de Educa­ção Infantil, Ensino Funda­mental e Ensino Médio, em todo o Brasil.

A base estabelece conhe­cimentos, competências e ha­bilidades que se espera que todos os estudantes desen­volvam ao longo da escolari­dade básica. Orientada pelos princípios éticos, políticos e estéticos traçados pelas Dire­trizes Curriculares Nacionais da Educação Básica, a Base soma-se aos propósitos que direcionam a educação brasi­leira para a formação humana integral e para a construção de uma sociedade justa, demo­crática e inclusiva.

Comentários