RP está perto de 700 casos de Sars-CoV-2

0
62
THOMAS PETER/REUTERS

Ribeirão Preto registrou mais 45 casos de covid-19 em 24 horas – quase dois a cada 60 minutos – e o total de pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 sal­tou de 648 para 693 nesta sex­ta-feira, 22 de maio, aumento de 6,9%. O recorde diário de novos pacientes com coronavírus é da última terça-feira (19), quando 65 moradores da cidade foram diagnosticados com a doença.

Ribeirão Preto também tem 17 mortes por covid-19 – os úl­timos nove óbitos ocorreram entre os dias 9 e 20 deste mês. A taxa de letalidade é de 2,4%, inferior aos índices regional (4,1%), estadual (7,5%), nacio­nal (6,4%) e mundial (6,5%). Em um mês, desde 23 de abril, a cidade registrou 455 novos casos de coronavírus, média de 15 confirmações por dia.

A incidência da infecção por Sars-CoV-2 aumentou 191,2% em relação aos 238 ca­sos de um mês atrás. Na época, Ribeirão Preto contabilizava cinco mortes por covid-19 – atualmente, são doze a mais. Em 22 dias de maio, desde 30 de abril, quando somava 282 pessoas com covid-19, a cida­de atendeu mais 411 pacientes com a doença, alta de 145,7%, com média diária de 18 novas confirmações.

O avanço de casos neste mês, segundo o secretário da Saúde, Sandro Scarpelini, é justificado pelo aumento na capacidade de testagem do município. Até os pacientes com sintomas leves de síndro­me gripal estão sendo testados nos postos do município. A Secretaria Municipal da Saúde acrescentou às notificações e aos casos descartados também as síndromes gripais.

Os pacientes que procu­ram atendimento no sistema de saúde do município e estão sendo testados mesmo com sintomas leves de gripe. Atu­almente, são 3.635 notificados e 2.632 que testaram negativo, ou 72,4% do total. A cidade também aguarda o resulta­do de 310 exames que estão represados nos laboratórios (8,53%). Os 693 confirmados representam 19,07%.

As vítimas fatais da co­vid-19 são nove homens (52,95%), de 36 anos, 41, 57, 68, 73 (duas vítimas), 76, 79 e 87 anos, e oito mulheres (47,06%), de 51 anos, 58, 70, 76, 80, 85, 88 e 89 anos de ida­de. Dezesseis tinham alguma comorbidade como doença cardiovascular crônica, diabe­tes, pneumopatia, doença neu­rológica crônica, imunodefi­ciência e doença renal crônica (94,1%). Apenas o homem de 76 anos não tinha doença au­toimune (5,9%). Quatro pes­soas tinham menos de 60 anos (23,5%) e 13 eram sexagená­rias, septuagenárias ou octoge­nárias (76,5%).

Retomada da economia
Na tarde desta sexta-feira (22), o prefeito Duarte No­gueira Júnior (PSDB) foi con­vidado pelo governador João Doria (PSDB), por meio da Secretaria Estadual de De­senvolvimento Regional, para participar de reunião, por vi­deoconferência, que acontece­rá na próxima terça-feira (26).

A reunião junto ao Comitê Municipalista dará andamento às tratativas relacionadas à re­tomada econômica proposta por Ribeirão Preto. De acordo com a prefeitura, o cronogra­ma prevê a volta à normalida­de em quatro etapas, entre 1º de junho e 13 de julho. Porém, tudo depende do governador – ele pode prorrogar a quaren­tena imposta pelos decretos de isolamento social.

A flexibilização de algumas atividades está prevista para 31 de maio. De acordo com o planejamento, até lá permane­cerão em vigor as regras dos de­cretos estaduais, ou seja, funcio­namento dos serviços essenciais, de saúde, alimentação, abasteci­mento, segurança, comunicação social, “drive thru” e “delivery”, instituições financeiras, manu­tenção e conserto, indústrias e serviços internos sem atendi­mento presencial.

Estão neste grupo serviços considerados essenciais como supermercados, padarias, açougues, bares, lanchonetes e restaurantes (desde que não haja consumo no local), far­mácias, drogarias, bancos (se­guindo as regras de distancia­mento e higienização), postos de combustíveis, serviços de limpeza, segurança, transporte (ônibus, táxis e aplicativos) e abastecimento.

Já a partir do dia 1º de ju­nho terá início a primeira eta­pa de retomada, que mantém os setores anteriores e inclui higiene e cuidados pessoais (clínicas de estética, clínicas de podologia, barbeiros, cabelei­reiros e similares), além de ofi­cinas de costura e lojas de avia­mento e similares (para venda exclusiva de tecidos).

Na segunda etapa, plane­jada para 15 de junho, acres­centam-se os estabelecimentos comerciais e de serviços com área de venda igual ou infe­rior a 800 metros quadrados, inclusive os quatro shoppings centers, obedecendo aos pro­tocolos e regras específicas. Na terceira fase do plano, no dia 29 de junho, as escolas retor­nam às aulas.

Por fim, a partir de 13 de julho, após a avaliação dos indicadores e com todas as etapas concluídas sem preju­ízo à saúde, será permitido o funcionamento de feiras, aca­demias, museus, bibliotecas, praças e outros locais públicos para a prática de esportes e ati­vidades lúdicas.