FL PITON/CCS

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) confirmou nesta quarta-feira, 21 de agosto, mais quatro casos de sarampo que estavam sendo investigados em Ribeirão Preto. São dois homens, de 20 e 38 anos, e duas mulheres, de 34 e 39 anos de idade. Três das vítimas viajaram ou mantiveram contato com viajantes. Em todos os casos a pasta promoveu blo­queios vacinais. Atualmente, ou­tras 51 ocorrências de infecção estão sob investigação na cidade.

Com os quatro novos casos confirmados nesta quarta-feira, subiu para seis as ocorrências de sarampo em Ribeirão Pre­to neste ano. O Departamento de Vigilância em Saúde, ligado à SMS, recomenda às pessoas que procurem algum dos 36 postos com salas de vacinação, caso ainda não tenham feito a imunização contra a doença. A Secretaria Estadual de Saúde também confirmou nesta quar­ta-feira 1.797 casos de sarampo no Estado de São Paulo.

Segundo o Ministério da Saúde, o sarampo se espalha pelo País. Da semana passada para cá, subiu de quatro para onze o número de Estados que enfrentam surto da doença. Em três meses, foram confirmadas 1.680 infecções, a maior par­te delas em São Paulo (1.662). Com o aumento de registros, a pasta expandiu a recomendação da vacina a todos os bebês do País de seis meses a um ano.

Os outros dois casos já con­firmados em Ribeirão Preto fo­ram anunciados neste mês. Um homem de 34 anos e uma crian­ça de um ano de idade foram vítimas da infecção. No caso do adulto, a suspeita de sarampo foi notificada em 16 de julho depois de apresentar sintomas suges­tivos da doença – comunicou que havia viajado para São Pau­lo uma semana antes. Trezentas pessoas que tiveram contato com o paciente foram vacinadas e, segundo a SMS, nenhuma de­las havia apresentado vestígios da infecção.

A secretaria ainda informa que, seguindo norma da Divisão de Imunização do Centro de Vi­gilância Epidemiológica do Es­tado de São Paulo, as crianças re­sidentes em Ribeirão Preto com idade entre seis e onze meses estão recebendo uma dose da vacina tríplice viral desde segun­da-feira o dia 12. Independente­mente dessa dose, a vacinação com tríplice viral aos 12 meses e de tetra viral aos 15 meses deve ser realizada normalmente, des­de que respeitados um intervalo de 30 dias entre cada uma.

Após essa faixa etária, e até 29 anos de idade, todas as pes­soas deverão ter tomado as duas doses da vacina e a partir de 29 anos o Ministério da Saúde re­comenda apenas uma dose da vacina. Em 2018, Ribeirão Preto registrou um caso não autóctone (importado) no mês de abril, de­pois de dez anos sem nenhuma ocorrência. A cidade conta atu­almente com 36 salas de vacinas que permanecem abertas de se­gunda a sexta-feira – os horários de atendimento são variados, de acordo com o funcionamento de cada unidade de saúde.

Na segunda-feira (20), o Mi­nistério de Saúde relatou que já foram disponibilizadas 7,5 mi­lhões de doses da vacina para o estado de São Paulo, além do apoio a campanhas de comu­nicação para sensibilizar os pú­blicos mais afetados pelo vírus. Ribeirão Preto, Sertãozinho e Franca estão entre as cidades paulistas da lista do Ministério da Saúde com alerta de surto ati­vo de sarampo.

A diretora de Vigilância em Saúde e Planejamento da Se­cretaria Municipal da Saúde, Luzia Marcia Romanholi Passos orienta as pessoas que apresen­tarem febre e manchas verme­lhas pelo corpo, acompanhadas de tosse, coriza e ou conjuntivite, a procurarem uma unidade de saúde. “O sarampo é uma doen­ça altamente transmissível por via respiratória, isto é, transmite à outra pessoa ao falar, ao tossir, ao espirrar”, alerta. Ela explica, ainda, que a vacina contra sa­rampo é de rotina, inclusa no Programa Nacional de Vacina­ção desde 1980.

“O trabalho de controle da doença na cidade está sendo feito e não há motivo para alar­de. As equipes de profissionais da Vigilância em Saúde estão fazendo os bloqueios para im­pedir o alastramento da doença onde foram constatados os casos suspeitos de sarampo. A Secre­taria da Saúde entra em contato com todos aqueles que tiveram convívio com pessoas conta­minadas ou com suspeita de sarampo. Em seguida, checa-se a vacinação e se foram tomadas as duas doses da vacina. Na dú­vida, a imunização é reforçada”, orienta Jane Aparecida Cristina, secretária municipal da Saúde em exercício.

Ribeirão Preto possui uma boa cobertura vacinal, com mais de 100% de imunização das crianças nascidas na cidade nos últimos quatro anos, que toma­ram as duas doses da vacina. “As equipes de profissionais da Vi­gilância em Saúde estão fazen­do os bloqueios para impedir o alastramento da doença onde foram constatados os casos sus­peitos de sarampo. A Secretaria da Saúde entra em contato com todos aqueles que tiveram con­vívio com pessoas contamina­das ou com suspeita de sarampo. Em seguida, checa-se a vacina­ção e se foram tomadas as duas doses da vacina. Na dúvida, a imunização é reforçada”, orienta a secretária interina.

A diretora de Vigilância em Saúde e Planejamento da Secretaria Municipal da Saú­de, Luzia Marcia Romanholi Passos orienta as pessoas que apresentarem febre e manchas vermelhas pelo corpo, acom­panhadas de tosse, coriza e ou conjuntivite, a procurarem uma unidade de saúde. “O sarampo é uma doença alta­mente transmissível por via respiratória, isto é, transmite à outra pessoa ao falar, ao tossir, ao espirrar”, alerta. Ela expli­ca, ainda, que a vacina contra sarampo é de rotina, inclusa no Programa Nacional de Va­cinação desde 1980.

Comentários