FOTOS: DIVULGAÇÃO

Com a presença de sete países, 120 atletas e o envol­vimento direto de 3.500 pes­soas, Ribeirão Preto será sede do 2º Campeonato Mundial de Futsal Down. O evento acontecerá entre os dias 28 de maio e 05 de junho, no giná­sio da Cava do Bosque. Esta­rão presentes as seleções da: Itália, Portugal, Peru, Argen­tina, Chile, México e Brasil.

A organização será da CBDI – Confederação Brasi­leira de Desportos para De­ficientes Intelectuais e Secre­taria de Esportes de Ribeirão Preto, com o apoio das or­ganizações civis RibDown e Sem Fronteiras.

Além dos atletas, um dos diferenciais do Mundial será a participação de cerca de 30 pessoas com Síndrome de Down que atuarão nas mais variadas funções durante os dias da competição.

“Acredito no poder do esporte como ferramenta de inclusão e superação, princi­palmente para atletas que an­tes de vencer os adversários em quadra, trabalham duro para vencer a desconfiança e o preconceito da socieda­de. Precisamos dar cada vez mais oportunidade para que mostrem seu talento”, diz Fa­bricio de Freitas, presidente da Associação Síndrome de Down Ribeirão Preto (Rib­Down), fundada em 1998. “Espero que este evento deixe de legado a conscientização em nossa cidade do potencial das pessoas com Síndrome de Down e a experiência aos en­volvidos da participação num evento de grande importân­cia mundial”, completa.

“A expectativa é muito grande. É o primeiro evento internacional desse porte em Ribeirão Preto. Isso acontece devido à repercussão positiva da realização da Copa Brasil aqui na cidade. Por isso, a Confederação viu na cidade um potencial muito forte. Logo que tivemos esse convi­te fomos atrás de apoiadores, parceiros e patrocinadores, além de pessoas e instituições que trabalham com a causa,” diz o secretário de Esportes, Ricardo Aguiar.

Apesar da confirmação de sete delegações, Aguiar informa que existe a pos­sibilidade de outras duas seleções participarem do Mundial. “O esporte é uma excelente ferramenta de inclusão social principal­mente para atletas com esse perfil. Precisamos chamar a atenção das pessoas para as possibilidades das pessoas portadoras de Síndrome de Down,” finaliza o secretário.

A primeira edição do Campeonato Mundial de Futsal Down foi realizada na cidade de Viseu, localizada na região central de Portugal. O evento foi organizado pela Federação Internacional de Futebol Para Síndrome de Down (FIFDS) e regido pelas regras da FIFA, com participação das seleções de Portugal, México, Itália e África do Sul, em uma dispu­ta de pontos corridos que sa­grou a seleção italiana como a primeira campeã Mundial de Futsal Down.

Adilson Ramos, presiden­te da CBDI, destaca que é um marco para o Brasil receber a realização do 2º Campeonato Mundial de Futsal Down. “O envolvimento de toda a co­munidade com a realização da Copa Brasil, nos deixou bastante empolgados, forta­lecendo o desejo para reali­zarmos o Mundial na cidade, com países de vários lugares do mundo que estarão aqui para ver o que Ribeirão Preto representa para o esporte. Te­nho certeza que este mundial será único,” afirma.

Técnico de Ribeirão integra CT da Seleção
O profissional de Educação Física e técnico do time de Ribeirão Preto de pessoas com Síndrome de Down, Demétrius Nogueria de Souza, 37 anos, fará parte da comissão técnica da Seleção Brasileira. “Minha expec­tativa para o Mundial em Ribeirão são boas, vejo eu que estamos no mesmo nível das equipes que aqui estarão. Serão ótimos jogos e contamos com apoio da nossa torcida que será um diferencial”.

Demétrius trabalha com pessoas com deficiência desde 2006 e com futsal especificamente desde 2007. “Treinar pessoas com Síndrome de Down e também somente com deficiência intelectual é um desafio, pois a inclusão parte da gente se incluir no convívio deles e não forçá-los a se incluir em nosso meio. Temos uma visão errada sobre a inclusão”, ressalta.

Demétrius ao lado de um atleta de Ribeirão. Treinador acredita no fator torcida

O treinador explica que os treinos são normais como de qualquer equipe sem deficiência. “Mas devemos respeitar as particularidades e limites de cada um. Devemos fazer parte da vida deles e tentar olhar o mundo da forma que eles veem para compreendê-los, senão o trabalho não flui,” disse.

Segundo ele, retorno pessoal é muito gratificante, “pois nos faz enxergar a vida de outra forma, nos faz crescer como seres humanos, vemos que nossos problemas e dificuldades que muitas vezes nos fazem desistir de alguns sonhos ou nos paralisam, não chegam perto dos problemas que eles carregam consigo e tentam se superar a cada dia, “ destaca.

“Ali entre eles se encontra um amor verdadeiro, pois quando eles não gostam dizem isso na cara da gente, não pra nos ferir, mas sim porque são verdadeiros”, conta.

Com a bola rolando a equipe de Ribeirão Preto, que treina em uma quadra particular da cidade, participou recente­mente da Copa Magnus de Futsal Down no Parque São Jorge (Corinthians) em São Paulo. Ribeirão ficou em terceiro lugar, perdendo apenas um jogo. No segundo semestre a equipe participa de outras competições estaduais.

Atleta Down de Ribeirão defendeu a Seleção
Ribeirão Preto teve um atleta convocado para Seleção Brasileira. Foi Felipe Borges, que participou de um jogo em Piracicaba ano passado.

Felipe pode ser novamente convo­cado para Seleção Brasileira

“O Felipe teve uma boa par­ticipação e tem chances sim de integrar a Seleção Bra­sileira em futuros torneios, mas vamos esperar quem sabe ainda sobre uma vaga para ele nesse mundial. Com muito trabalho não somente ele, mas outros que treinam com muita dedicação têm chances também de con­quistar uma convocação”, ressalta Demétrius, treinador da equipe ribeirão-pretana e integrante da comissão técnica da Seleção.

Comentários