30.6 C
Ribeirão Preto
13 de agosto de 2022 | 14:58
Jornal Tribuna Ribeirão
ALEXANDRE ERMOCHENKO/REUTERS
Mundo

Rússia diz que usará mísseis hipersônicos

No mesmo dia em que um drone que carregava um ex­plosivo atingiu o quartel-ge­neral da frota russa no Mar Negro, na cidade de Sebas­topol, Crimeia, o presidente Vladimir Putin anunciou que as tropas da Rússia vão usar novos mísseis hipersônicos Zircon, na guerra na Ucrânia.

O ataque ocorreu no Dia da Marinha da Rússia e levou ao cancelamento das comemo­rações que ocorreriam na Cri­meia, península anexada pela Rússia em 2014, onde está a Frota do Mar Negro. O serviço de imprensa da frota disse que o drone parecia ser caseiro e descreveu o explosivo como “de baixa potência”.

O prefeito de Sebastopol, Mikhail Razvozhaev, disse que seis pessoas ficaram feridas. No desfile naval em São Peter­sburgo, Putin afirmou que os mísseis hipersônicos serão in­corporados aos navios russos. Segundo ele, a frota russa “vai ser capaz de infligir uma res­posta fulminante a todos aque­les que decidem atacar nossa soberania e liberdade”.

“A entrega às Forças Ar­madas russas começará nos próximos meses”, disse Putin. Os mísseis de cruzeiro Zircon podem atingir alvos a mil qui­lômetros e viajar nove vezes mais rápido que a velocidade do som. Ainda no domingo, 31 de julho, o presidente ucrania­no, Volodymyr Zelensky emitiu uma ordem de retirada obriga­tória para os civis que ainda vi­vem na região leste de Donetsk, devastada pelos constantes ata­ques russos.

“Há centenas de milhares de pessoas, dezenas de milha­res de crianças. Muitas se re­cusam a sair, mas isso precisa ser feito”, disse em seu discur­so noturno. As forças russas tomaram grandes áreas de Donetsk, mas observadores dizem que elas reduziram a ofensiva nas últimas semanas.

Morte de empresário
Um dos empresários mais ricos da Ucrânia e sua mulher foram mortos em bombardeios na cidade de Mikolaiv, no sul do país, disse ontem o governador regional Vitali Kim. Oleksi Va­daturski era dono da empresa agrícola Nibulon, especializada na produção e exportação de grãos de trigo, cevada e milho.

A empresa é a única agrí­cola na Ucrânia com frota e estaleiro próprios. A fortuna de Vadaturski era estimada antes da guerra em US$ 430 milhões (R$ 2,2 bilhões). Ze­lensky disse que a morte do empresário foi “uma grande perda para toda a Ucrânia”.

Grãos
O primeiro carregamento de grãos desde o início da inva­são russa em fevereiro deixou o porto ucraniano de Odessa na manhã desta segunda-feira, 1º de agosto, com um acordo que pretende aliviar a iminente es­cassez global de alimentos e for­talecer as finanças da Ucrânia.

O primeiro navio a ser en­viado, o Razoni, partiu car­regando 26 mil toneladas de milho com destino final em Trípoli, no Líbano, segundo o governo turco, que ajudou a in­termediar o tratado. Espera-se que o graneleiro com bandeira de Serra Leoa chegue a Istam­bul nesta terça-feira (2) e con­tinue trajeto após as inspeções.

O Razoni foi escoltado por um navio das forças ucrania­nas por um território do Mar Negro repleto de minas, para evitar um ataque à cidade por­tuária estratégica no sul do país. Equipes de inspeção, incluindo funcionários da Turquia, das Nações Unidas e da Rússia, devem verificar os navios en­volvidos no acordo sob o do­cumento assinado em Istambul no mês passado.

O carregamento de grãos é o primeiro teste para permitir que a Ucrânia, uma das maiores exportadoras de grãos do mun­do, comece a enviar ao exterior cerca de 20 milhões de tonela­das do produto que a invasão da Rússia prendeu no país.

Mais notícias

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com