Cerca de 400 funcionários de empresas fornecedoras da LG Electronics entraram em greve. Os profissionais da Blue Tech, Sun Tech e 3C decidiram paralisar as atividades após a empresa sul-coreana anunciar que vai encerrar a fabricação de celulares de todas as suas unidades espalhadas pelo mundo.

Além de a decisão da LG provocar o fechamento da divisão de celulares de sua unidade em Taubaté (SP) — colocando em xeque os cerca 400 postos de trabalho da fábrica — as fornecedoras também serão afetadas.

A lógica é simples: com o encerramento da fabricação de celulares, os cerca de 430 funcionários de Blue Tech, Sun Tech e 3C ficarão sem função — já que recebem matérias-primas da empresa sul-coreana, produzem os aparelhos e enviam para a unidade de Taubaté, no interior de São Paulo.

Greve de fornecedoras da LG teve início nesta terça-feira. Foto: Roosevelt Cássio/Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

A paralisação dos funcionários das fornecedoras da LG teve início na madrugada desta terça-feira, às 6h da manhã. Os protestos foram vistos nas plantas das empresas Blue Tech e 3C, em Caçapava, e Sun Tech, em São José dos Campos.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, uma nova reunião com as fornecedoras e com a LG deve acontecer ainda nesta terça. Durante a conversa, deverão ser discutidos os impactos aos trabalhadores e alternativas para minimizar os efeitos das demissões.

Fachada da empresa da LG
Medida global da empresa também vai afetar as operações em solo brasileiro. Foto: Michael Vi/Shutterstock

“A LG é responsável por cada posto de trabalho nessas fábricas. Vamos exigir, na luta e nos tribunais, que todos os direitos sejam garantidos. A terceirização, amplamente adotada pela empresa, tem como reflexo a precarização de direitos e insegurança jurídica”, disse o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, Weller Gonçalves.

De acordo com a sede, o futuro dos trabalhadores que fabricam celulares para a companhia será definido a nível local. Uma nova reunião com representantes da LG de Taubaté (SP) deve ser realizada ainda nesta semana.

“Na primeira reunião [em 30/3], os representantes da empresa nos mostraram três cenários: a possibilidade de fechamento, reestruturação e venda do setor”, afirmou o presidente do Sindmetau, Cláudio Batista.

Mesmo com a saída do mercado de smartphones, a LG informou que vai continuar a venda dos aparelhos até o esgotamento dos estoques. O suporte também será fornecido durante algum tempo, a depender da região.

Fonte: Convergência Digital/Veja São Paulo/G1