O presidente em exercício da Câmara dos Deputados, An­dré Fufuca (PP-MA), afirmou nesta quinta-feira (31) que dará prosseguimento a uma eventual nova denúncia contra o presiden­te da República, Michel Temer (PMDB), se a peça chegar à Casa enquanto ele estiver como substi­tuto de Rodrigo Maia (DEM-RJ). Segundo Fufuca, é preciso respei­tar o regimento da Câmara.

“A gente respeita rigorosa­mente o regimento, então, não há segredo. Se a denúncia for feita enquanto eu estiver na in­terinidade, nós daremos pros­seguimento no que diz o regi­mento da Casa”, declarou.

Fufuca fica no comando da Câmara até 6 de setembro, quan­do está previsto o retorno de Te­mer a Brasília, que viajou para a China na terça-feira (29).

No meio político, há uma expectativa de que a segunda de­núncia contra o presidente seja apresentada pela PGR (Procura­doria-Geral da República) duran­te sua ausência.

Por se tratar de uma denún­cia contra o presidente da Repú­blica, a peça precisa ser autoriza­da pela Câmara dos Deputados antes de sua análise no STF (Supremo Tribunal Federal). De acordo com o regimento inter­no da Câmara, não há um prazo para que o processo seja despa­chado pelo presidente da Casa.

No entanto, na primeira de­núncia, a tramitação foi rápida. Logo após a comunicação de Maia quanto ao recebimento da peça, Temer foi notificado e os deputados deram início aos trabalhos na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Ela acabou rejeitada pelos deputa­dos em plenário.