FOTO: CAMILA MIRANDA

Rodrigo Brandão e banda vão desembarcar em Ribeirão Preto nesta quinta-feira, 20 de junho, feriado de Corpus Chris­ti, com o show “Outros Barato” na bagagem, performance pro­duzida a partir do seu primeiro álbum solo. Ele é um dos prin­cipais representantes do gênero “spokenword”, uma forma de arte literária ou artística em que as letras de músicas, poemas ou histórias são faladas ao invés de cantadas. Também foi DJ por mais de dez anos do grupo de hip hop Mamelo Sound System.

Cada forma de expressão ocorre de modo peculiar. No caso da música, a letra ganha destaque. Seja no momento de popularidade maior do rap no país, na rápida ascensão dos mais diversos slams cidade e es­tado afora, os indícios da força da palavra em contexto musi­cal são fortes. Além de Rodrigo Brandão, estarão no palco Tuli­pa Ruiz, Juçara Marçal, Mel Du­arte, Rodrigo Carneiro e Edgar.

A cantora e compositora Tulipa Ruiz tem quatro álbuns gravados – “Efêmera” (2010), “Tudo tanto” (2012), “Dancê” (2015) e “Tu” (2017) – e já levou os prêmios Multishow de Mú­sica Brasileira (melhor cantora em 2011 e melhor álbum com “Tudo tanto”, em 2012), o APCA (melhor álbum em 2012, “Tudo tanto”) e Contigo MPB FM de Música (melhor álbum pop de 2012, por “Tudo tanto”). Em 2015, levou o Grammy Latino de melhor álbum pop contem­porâneo por “Dancê”, que lhe rendeu ainda o 27º Prêmio da Música Brasileira como melhor projeto visual (assinado por Te­reza Bettinardi).

Juçara Marçal é cantora e professora. começou sua car­reira artística em 1990 com a Companhia Coral, que fundia música e teatro sob a regência do maestro Samuel Kerr. Em 1991, ingressou no grupo vocal feminino Vésper, que lançou três discos. Em 1998, partici­pou como cantora na formação da banda A Barca, que lançou quatro álbuns. Em 2008, gravou em parceria com Kiko Dinucci o disco “Padê” Em 2011, 2012 e 2016 participou de três álbuns com o trio Metá Metá. Tem um disco solo, “Encarnado”, de 2014.

Mel Duarte vai representar o Slam Das Mina, projeto de des­taque da qual é linha de frente. Rodrigo Caneiro, conhecido pelo trabalho nos Trovadores do Miocárdio, é veterano na cena. Lançou o livro “Barítono” no fim do ano passado. Ambos apresentam intervenções aca­pella dinâmicas. Fechando a noite, Edgar mostra o material de seu primeiro disco oficial, “Ultrassom”, ao lado do feste­jado produtor Pupillo. O tra­balho desafia os limites do rap, toca de forma lúdica na ques­tão LGBT, faz uso dos timbres mais pesados q a música eletrô­nica pode oferecer, e o resultado é único, totalmente em sintonia com seu tempo.

Dois artistas convidados vão participar. Um deles é o DJ Ro­bsom Selectah que iniciou suas atividades em 1999, rimando através do grupo de rap WRW, do Centro Cultural Orúnmila e do Coletivo Abracadabra. Inte­ressou-se pela arte do (Dj) em meados de 2006, e, desde então trabalha com discotecagem e ministra oficinas gratuitas de (Dj/Mc). Selectah esteve presen­te discotecando seu repertório com base na música preta em shows de extrema importância para sua caminhada, tais como Maria Rita, Seu Jorge, Racionais Mc’s, Groundation, Rapadura, Trio Mocotó, Aláfia, Rappa entre outros. Ele segue multiplicando sua arte através dos coletivos Fa­mília Pedra Negra, Skilzz Jungle Session, KillaRockers, Nugroove e Via Marginal.

Outra convidada é Luiza Romão, poeta, atriz e slam­mer. Formou-se em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo e na Escola de Arte Dramática (também da USP). É autora dos livros “Sangria” e “Coquetel Motolove”, publica­dos pelo Selo doburro/SP. Em 2014, foi vice-campeã nacional de poesia (Slam BR).

Seu projeto muti-artístico Sangria circulou por diversos Estados brasileiros (Goiás, São Paulo, Ceará, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro) e países lati­noamericano (Uruguai, Argen­tina, Porto Rico). No teatro, Luiza participou dos coletivos teatrais Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, Teatro Do­cumentário, Cia Ato Reverso, Turma 66, entre outros. Como arte-educadora, trabalhou em projetos como Vocacional, Fábricas de Cultura, Ademar Guerra e Juventudes/Sesc.

O show de Rodrigo Bran­dão, banda e convidados será às 17 horas de quinta-freira (13), no Galpão de Eventos do Sesc, que tem capacidade para 400 pessoas em pé. Fica na unidade da rua Tibiriça nº 50, na região central de Ribeirão Preto – en­tre a avenida Doutor Francisco Junqueira e a rua Visconde do Rio Branco. Mais informações pelo telefone (16) 3977-4477. O espetáculo não é recomen­dado para menores de 16 anos e não será permitida a entrada após o início.

Os ingressos estão à venda no Sesc e custam R$ 20 (intei­ra), R$ 10 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, porta­dor de necessidades especiais, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$ 6 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo cre­denciados no Sesc e dependen­tes – credencial plena).

Comentários