Amanhã, sexta-feira, dia 22, comemoramos o Dia Mundial da Água, uma data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), por meio de uma resolução, em fevereiro de 1993. A data foi criada com o objetivo de incentivar a comemoração e promo­ver atividades de reflexão, principalmente sobre o consumo racio­nal e consciente da água, um produto imprescindível à sobrevi­vência animal e vegetal. Em Ribeirão Preto temos o privilégio de possuir um aquífero que fornece água de excelente qualidade e que merece e precisa ser preservado.

E temos buscado essa preservação constantemente através de ações educacionais, levando informações sobre o consumo consciente principalmente às crianças em idade escolar, para que saibam que os recursos hídricos são finitos e que precisam ser preservados, evitando gastos desnecessários. A educação é levada às escolas, por meio de palestras e apresentações teatrais, e por exposições que informam sobre a captação da água.

Há um esforço considerável neste trabalho de conscientização, ao mesmo tempo em que o Daerp, responsável pela captação e distribuição da água e coleta e tratamento de esgotos, atua em diferentes projetos que levam à preservação do aquífero Guarani, o nosso manancial de água limpa e pura, de forma a prolongar a sua vida útil. É certo que muito se fez em sentido contrário em tempos passados, mas já tivemos o período de recuperação para voltarmos aos necessários investimentos.

Quando assumimos o governo, em 2017, o Daerp não estava apenas sucateado, sem investimentos e com problemas de gestão, mas também figurava nas páginas policiais com acusações de desvios de recursos financeiros e prática de fraudes em licitações, com ex-diretores investigados e presos. Nos últimos dois anos o Daerp trabalhou na reconstrução de sua imagem. Sem deixar de atuar na redução de vazamentos, com reparos mais rápidos, e na ampliação da oferta de água com a instalação de novos poços e redes.

Há ainda vários projetos planejados e em andamento, sendo o principal deles o que permitirá a universalização dos serviços de abastecimento de água e de coleta, afastamento e de tratamento de esgotos. O projeto, com investimentos de R$ 137,7 milhões, e que prevê a instalação de 97,2 quilômetros de coletores e intercep­tores de esgotos, está em fase final. Ainda neste primeiro semestre teremos 100% de abastecimento de água, 100% de esgoto coleta­do e 100% de esgoto tratado. É o que chamamos de cidade 300%, com universalização dos serviços de saneamento.

Outro importante projeto é a setorização da distribuição de água na cidade. Com valor previsto de R$ 97 milhões, e mais R$ 12 milhões para automação dos poços e reservató­rios, o projeto prevê a implantação de 56 setores de abasteci­mento, substituição de oito poços profundos e implantação de mais dois, execução de 49 trechos de adutoras para interli­gar poços e reservatórios, implantação de 64,64 quilômetros de redes de distribuição, construção de 18 reservatórios com capacidade de reservação que varia de 200 mil litros a 2,5 mi­lhões de litros e instalação de 252 novas válvulas de controle.

A previsão é implantar a setorização até 2021 e, com isso, reduzir pela metade a perda total de água, atualmente em 59,8%. A setorização permitirá a inversão do sistema de distribuição. Atualmente cerca de 70% da água é injetada diretamente nas redes e segue direto para os consumidores. Com mudança, o sistema passará a abastecer antes os reserva­tórios, para a água ser distribuída por gravidade, com melhor controle de vazão e pressão, com redução de vazamentos.

Estamos trabalhando na preservação dos nossos recursos hídricos para assegurar que eles poderão ser utilizados pelas gerações futuras.

Comentários