DIEGO RUAHN

Os amantes de pop rock nacional têm um encontro marcado com o quarteto mi­neiro Skank, neste sábado, 17 de agosto, às 21 horas no Centro de Eventos do Ribei­rãoShopping. O grupo está celebrando os 28 anos de car­reira com a turnê “Os três pri­meiros”. Os álbuns “Skank”, lançado em 1993; “Calango”, de 1994; e “Samba Poconé”, de 1996 são os três primeiros do grupo que conquistou o Brasil e hoje é considerado um dos principais do país. O repertó­rio do show é baseado nas can­ções que integram a trinca.

A fórmula quase ingênua do quarteto mineiro de pegar doses do que a geração jamai­cana fazia – ao fugir um pouco do acento tradicional do reg­gae, mesclar com sons brasi­leiros e com letras maduras e inteligentes, deu muito certo. “Os três primeiros – ao vivo” celebra a sólida carreira e traz no setlist canções como “Tan­to”, “Jackie Tequila”, “Partida de futebol”, “Garota nacional”, “Tão seu”, “Pacato cidadão”, “O homem que sabia demais”, “Baixada News”, “Sem terra”, “Eu disse a ela” e “Te ver”.

A banda já vendeu mais de seis milhões de discos entre CDs e DVDs e é formada por Samuel Rosa (guitarra e voz), Henrique Portugal (teclados), Lelo Zaneti (baixo) e Haroldo Ferretti (bate­ria). Tem 13 álbuns e seis DVDs gravados. Emplacou mais de 30 sucessos em trilhas de no­velas. Ganhou prêmios como o Leão de Ouro do Festival de Publicidade de Cannes em 2011 (“SkankPlay”), o Grammy Lati­no de Melhor Álbum Brasileiro de Rock de 2004 (“Cosmotron”), o MTV Video Music Brasil de Escolha da Audiência em 1996 (“Garota Nacional”) e 1997 (“Partida de futebol”); vários prê­mios Multishow, entre outros.

O Skank lançou em 2018 o projeto “Os três primeiros – ao vivo”. O show, gravado no Rio de Janeiro em novem­bro de 2017, foi lançado em DVD e CD. A ideia do pro­jeto surgiu durante os shows comemorativos aos 20 anos do “Samba Poconé”, a partir dos pedidos de canções do repertório também dos dois primeiros discos (“Skank”, de 1993, e “Calango”, de1994). Além disso, nos anos 90, a banda não teve nenhum ál­bum ao vivo.

O primeiro disco foi lan­çado em 1992, de forma in­dependente. Em fevereiro de 1993, depois de contratada pela Sony, a banda remixou o álbum, que vendeu 250 mil cópias. “Calango”, lançado em 1994, é o álbum em que o Skank mais se mostrou in­fluenciado pelo dancehall ja­maicano. Vendeu ao todo 1,2 milhões de cópias.

Já “Samba Poconé” é o ál­bum mais vendido da banda e o primeiro da carreira do grupo a receber um cuida­doso lançamento no exterior. Ele foi lançado em 1996 e, ao todo, foram vendidas 1,8 milhões de cópias. Os ingres­sos para o show em Ribeirão Preto estão à venda pelo site do Ingresso Rápido (www. ingressorapido.com.br) e na bilheteria do Centro de Even­tos do RibeirãoShopping.

Custam R$ 160 (setor Pre­mium, a meia-entrada “sai” por R$ 80), R$ 190 (Premium Extra, a meia custa R$ 95), R$ 140 (Vip A) e R$ 130 (Vip B) – não há mais ingressos à ven­da para os setores Vip Extra e Vip Especial, segundo o site. O Centro de Eventos do Ri­beirãoShopping fica na aveni­da Coronel Fernando Ferreira Leite nº 1.540, Jardim Califór­nia, Zona Sul. O telefone para mais informações é (16) 3620- 2266. O local tem capacidade para receber 1.830 pessoas. O espetáculo é proibido para me­nores de 18 anos.

Nos setores “Vip”, menores não entram mesmo acompa­nhados, pois funcionam no sistema “open bar” (com bebi­da alcoólica). Também não há meia-entrada para estas áreas. Já nos setores Premium quem não tem 18 anos está liberado, desde que acompanhando por um responsável. Serão reser­vados 40% da carga de bilhetes para quem tem direito a 50% de desconto.

A meia-entrada é válida para estudantes (com apre­sentação da carteira oficial) e professores de escolas públi­cas e particulares (median­te apresentação de carteira funcional ou holerite e do­cumento com foto), aposen­tados (com comprovante do Instituto Nacional do Seguro Social, INSS), idosos acima de 60 anos (com cédula de identidade, o Registro geral – RG) e cadeirante e acom­panhante (apenas um) com a comprovação do benefício.

Comentários