O presidente Michel Temer (PMDB) disse nesta segunda­-feira, 21, que não descarta dis­putar reeleição em 2018, apesar de não ser o seu “desejo”. Em entrevista para a rádio Band­news FM, o peemdebista res­saltou que o governo deverá ter candidato nas eleições do ano que vem, e que será alguém que defenda o legado de sua gestão.

Questionado se poderia se candidatar a um segundo man­dato no ano que vem, Temer não negou. “Poder ser (candi­dato), claro que poderia, mas não é meu desejo”, afirmou. “Sou candidato, mas candidato a fazer um bom governo”, rei­terou o presidente.

Durante a entrevista, o pe­emdebista voltou a dizer que o partido terá candidato, mas afirmou não saber quem será – nem se seu próprio partido, o PMDB, terá candidatura própria. “Quem for candidato apoiado pelo governo terá que apoiar o legado”, disse. “Quem vier a ser candidato terá que defender as reformas e, ao de­fender as reformas, estará cra­vado no programa dele o go­verno Temer”, completou.

Sobre a reforma da Previ­dência, uma das expectativas para o seu “legado”, Temer re­afirmou a expectativa de apro­vação em fevereiro, de forma que, segundo ele, o próximo presidente não terá que lide­rar muitas outras reformas. Com a recuperação econô­mica e dos empregos, alegou, a tendência é que o governo tenha índice de aprovação muito maior até maio. “Tenho absoluta convicção de que isso vai acontecer”, previu.