Trânsito mata menos em Ribeirão

0
32
FOTOS: ALFREDO RISK

Um levantamento feito pelo Sistema de Informações do Governo do Estado de São Paulo (Infosiga-SP) mostrou uma redução de 71,4% nos acidentes de trânsito fatais em Ribeirão Preto. Os dados são referentes a janeiro de 2021, dentro da malha viária sob responsabilidade do mu­nicípio. Em números brutos, essa redução significa que no primeiro mês deste ano foram registradas duas fata­lidades, enquanto no mesmo período de 2020, o município contabilizou sete.

Apesar de Ribeirão Preto ter registrado apenas dois aci­dentes com mortes, a cidade também contabilizou outros 284 registros de acidentes de trânsito. Soma essa que apre­senta cerca de nove acidentes por dia no município.

Ribeirão Preto teve em média nove acidentes por dia em janeiro

A Prefeitura, por meio da Empresa de Trânsito e Trans­porte Urbano de Ribeirão Preto (Transerp), informou que tem promovido diver­sas ações de conscientização em meios digitais, além das atividades de engenharia de tráfego em todas as regiões da cidade.

Além disso, o Departa­mento de Educação de Trân­sito da Transerp avalia que a pandemia alterou as caracte­rísticas do trânsito da cidade, mas os acidentes com óbitos ainda continuam ocorrendo.

“Devemos continuar a utilizar as vias com respon­sabilidade, pois, conforme o Infosiga, 94% dos acidentes de trânsito com mortes em nosso Estado são causados por falha humana. Orienta­mos que dirijam com cuida­do e redobrem a atenção. As­sim, conseguiremos diminuir os índices de fatalidades nas vias do município”, destaca o diretor-superintendente da Transerp, Marcelo Galli.

Concessionárias registram diminuição de acidentes com motos
O número de acidentes envolvendo motocicletas em estradas da região foi menor em 2020 em relação a 2019, de acordo com as concessionárias responsáveis pelas rodovias próximas a Ribeirão Preto.

Nas rodovias da região, administradas pela Entrevias Concessionária de Rodovias, houve redução de 4% na com­paração de 2019 com 2020, pe­ríodo em que houve 303 e 290 registros, respectivamente.

Já em relação às estradas administradas pela Arteris ViaPaulista , um levantamen­to de dados da concessioná­ria aponta que em 2020 o nú­mero de acidentes teve uma redução de 22% no trecho do km 307 ao km 318 da Rodo­via Anhanguera, perímetro urbano de Ribeirão Preto, e de 50% no número de fata­lidades. Por outro lado, aci­dentes envolvendo motoci­clistas somam 36% do total dessas ocorrências.

No geral, envolvendo de­mais trechos, a Arteris infor­mou que foram registrados 102 acidentes em 2020, uma redução de 20,32% no núme­ro de ocorrências com moto­ciclistas se comparado ao ano anterior (128 registros).

Causas e comportamentos dos motociclistas
A Entrevias aponta que o comportamento dos conduto­res é o que chama a atenção do setor de operações da conces­sionária, já que a falha humana apresentou redução expressi­va de 34% – de 165 para 108 acidentes, na mesma base de comparação.

De acordo com o levan­tamento do CCO – Centro de Controle Operacional, no trecho de Ribeirão Preto e região foram registrados 212 acidentes em 2019 com motociclistas e 203 no ano passado. Estes indicadores consideram imprudências como excesso de velocidade, manobras arriscadas, freadas bruscas, até a pilotagem na contramão de direção.

Análises de tráfego evidenciam que além do aumento visível no número de motociclistas na rodovia, as principais causas raios. de acidente são a desatenção causada pelo uso de celular, falta de manutenção preventiva, o tráfego em velocidade maior que a permitida e no meio de outros veículos, o chamado “corredor”

Análises do tráfego no período, feitos pela Arteris ViaPaulista, evidenciam que além do aumento visível no número de motociclistas na rodovia, as principais causas de acidente são a desatenção causada pelo uso de celular, falta de manutenção preven­tiva, o tráfego em velocidade maior que a permitida e no meio de outros veículos, o chamado “corredor”.

“É importante ressaltar que a rodovia é monitorada por câmeras e fazer corre­dor é suscetível a penalida­de, já que é infração grave e está prevista no Artigo 192 do Código de Trânsito Bra­sileiro”, comenta o gerente de Operações, Marcos Carneiro.

Campanhas
Preocupada em promo­ver a redução dos acidentes envolvendo os motociclistas e buscando maior conscien­tização dos condutores, am­bas concessionárias realizam campanhas frequentes.
A Entrevias iniciou em 2019 a campanha voltada para este perfil de condutor, dentro do programa de segurança viá­ria “Vida em Movimento”.

“Nossa ideia é promover segurança, alertar para a cons­cientização em manter a moto revisada e dirigir com muita cautela na rodovia. Nosso ob­jetivo é diminuir mais e mais os números de acidentes”, pon­tua Fábio Ortega, gestor de se­gurança viária da Entrevias.

“Iniciamos a segunda fase da campanha em fevereiro, continuamos atuando direta­mente na melhoria das vias e assim permanecemos próxi­mos desse público”.

Nesta edição da campanha, o foco é a conscientização em relação aos equipamentos para uma viagem segura, a prática da direção defensiva e o res­peito aos limites de velocidade. A campanha virtual pode ser acompanhada pelo Instagram @entreviasoficial e Likedin (https://br.linkedin.com/com­pany/entrevias).

A mobilização ganha for­ça com o apoio de dois co­laboradores, que trazem mensagens importantes aos motociclistas a partir de ex­periências em pilotagens.

Um deles é Vitor de Jesus, auxiliar de pedágio. “O pneu da minha moto estourou na rodovia. Levei uma queda, mas para a minha sorte não foi gra­ve. Desde então tomo todos os cuidados. Sou bem mais caute­loso ao dirigir na pista e man­tenho minha moto revisada”, explicou.

Já Priscila Tortoro, auxiliar de CCO, conta que dirige moto há mais de sete anos e nunca se envolveu em nenhum acidente. “Sou muito cautelosa nas ultra­passagens e ao me posicionar bem no meio faixa. Gosto de andar de moto e preservo mui­to minha segurança”, conta.

A direção defensiva pode ser um fator decisivo para di­minuição de acidente, segundo Fábio Ortega. “O condutor de um ciclomotor de baixa cilin­drada, principalmente, precisa estar sempre alerta, antecipar-se a possíveis ações no trânsito. A moto o deixa muito exposto. E complementando esses cuida­dos, a calibragem constante dos pneus e também fazer a troca, não andar com pneu ‘careca’ serão os fatores essenciais para conseguirmos reduzir drastica­mente esses dados”, reforça.

Viva Motociclista
A Arteris ViaPaulista re­alizou na sexta-feira (26) a primeira campanha Viva Mo­tociclista de 2021. A ação acon­teceu no km 312 da Rodovia Anhanguera, na via marginal sul, em Ribeirão Preto.

Nos quatro anos de conces­são, um dos objetivos do Pro­grama de Redução de Aciden­tes da Arteris ViaPaulista foi voltado justamente para este público: trabalhando na cons­cientização dos usuários sobre a importância de trafegar pelas vias marginas como alternativa para um trajeto mais seguro.

“Um usuário que trafega numa rodovia com um veí­culo leve como a motocicleta, com baixa velocidade, acaba se colocando numa situação de risco. Temos realizado cam­panhas para orientação desse público”, finaliza o diretor de Operações, André Bianchi.

Estouro de pneu de motos
Na contramão da redução de acidentes de motocicletas, as quedas por estouro de pneu aumentaram em 13% nas ro­dovias sob administração da Entrevias. O levantamento representa um alerta sobre a necessidade de atenção aos itens de segurança e à revisão periódi­ca destes veículos.

Por toda a malha viária foram regis­trados 56 acidentes desta natureza em 2019 e 63, no ano seguinte. A maior concentração dos casos foi identificada nas rodovias da região de Ribeirão Preto, como por exemplo, o Anel Viário Norte e Sul e a Anhanguera, com 41 casos em 2019 e 50 ocorrên­cias em 2020.

Nos pontos das rodovias que são próximos das cidades, muitos motoci­clistas utilizam os trechos de períme­tro urbano para deslocamentos entre bairros ou até cidades mais próximas. Em alta velocidade, o veículo exerce mais pressão sobre os pneus, fator que exige atenção redobrada do motoci­clista na revisão do componente que faz estes itinerários com frequência.