ASSESSORIA DE IMPRENSA DO HC

O número de pacientes adultos com menos de 50 anos internados em leitos de terapia intensiva, nas Unidades Cam­pus e de Emergência do Hos­pital das Clínicas da Faculda­de de Medicina de Ribeirão Preto, ligada à Universidade de São Paulo (HCFMR/USP), quase triplicou entre janeiro e maio, enquanto a de idosos recuou. No início deste ano, 16,6% dos leitos da instituição eram ocupados por pacientes de zero a 49 anos.

No final de maio, o nú­mero subiu para 45%. Na primeira semana de junho, o viés de alta continua e a fai­xa etária até 49 anos já ocupa 47,3% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Depois aparece o grupo de quem tem entre 50 anos e 59 anos, com 30,8%, e o dos idosos acima dos 60 anos, de 21,8% – segundo Benedito Carlos Maciel, superinten­dente do HC, essas pessoas representavam 67% das in­ternações em janeiro.

Entre os leitos pediátri­cos para pacientes-covid-19, os dois destinados ao Centro de Terapia Intensiva estavam estão ocupados e dos dez de enfermaria, seis estavam com crianças no início des­ta semana. Benedito Carlos Maciel explica que um dos motivos desta inversão pode ser fruto da vacinação da po­pulação idosa.

Em Ribeirão Preto, pessoas com mais de 64 anos já recebe­ram a segunda dose. O outro motivo são as novas cepas do coronavírus. Estudos indicam que essas variantes são mais re­sistentes, com consequeências mais graves, atingindo tam­bém as pessoas mais jovens. A variante manauara (P.1) já representa 88% dos contágios deste ano na cidade.

Pesquisadores também acreditam as chances de a variante P1.2, detectada no Rio de Janeiro, já circular em Ribeirão Preto é de 20%. O Estado de São Paulo também já identificou o primeiro caso da cepa B 1.617 do coronaví­rus, conhecida como variante indiana. O paciente tem 32 anos, é morador de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, e desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos no dia 22 de maio.

A amostra foi enviada ao Instituto Adolfo Lutz, da Se­cretaria Estadual da Saúde. Pesquisadores da Universida­de Estadual Paulista (Unesp) anunciaram, no final de maio, a descoberta de uma nova variante do coronavírus, em amostras coletadas no municí­pio de Porto Ferreira. Batizada como P.4, por derivar da mes­ma linhagem que deu origem à P.1, identificada inicialmente em Manaus (AM), a nova cepa já foi encontrada em amostras de ao menos outras 20 cidades do Estado de São Paulo.

Às 16h30 desta quinta-fei­ra, 10 de junho, a ocupação de leitos de UTI nas unidades Campus e de Emergência do Hospital das Clínicas era de 100%, com todas as 78 vagas preenchidas. Sessenta e nove pacientes precisavam de respi­radores artificiais neste horá­rio, 88,5% do total. O cenário era o mesmo na enfermaria, que tem 44 leitos, todos ocu­pados na tarde de ontem e três com respiradores.

Prefeitos e vereadores de 30 municípios da região rei­vindicam do governo de São Paulo medidas emergenciais contra a covid-19. Outras prefeituras e câmaras devem aderir ao movimento nos próximos dias. O motivo é o risco de mais mortes de pa­cientes à espera de vaga de terapia intensiva.

Entre as solicitações as­sinadas pelos representantes dos municípios está a con­tratação imediata de 237 profissionais aprovados em concurso para o Hospital das Clínicas de Ribeirão que, por falta de funcionários, pode ser obrigado a fechar mais dez leitos. Quatro foram fe­chados há cerca de um mês.