A Câmara de Ribeirão Pre­to aprovou, na sessão de quin­ta-feira, 7 de outubro, moção de congratulação para a mé­dica Lucy Kerr, uma ferrenha defensora do uso de ivermecti­na no combate ao coronavírus. O medicamento é autorizado pela Agência Nacional de Vigi­lância Sanitária (Anvisa) para tratamento contra infecções causadas por parasitas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Anvisa não reconhecem o medicamento para o combate à covid-19. A autoridade sanitária dos Esta­dos Unidos, FDA, também já emitiu um alerta em relação ao uso de ivermectina por pesso­as com coronavírus.

A homenagem partiu do vereador André Rodini (Novo) e recebeu 13 votos favoráveis. Sete parlamentares se abstive­ram de votar e dois, Maurício Gasparini e Bertinho Scan­diuzzi, ambos do PSDB, não participaram da sessão porque estão afastados devido ao diag­nóstico de covid-19.

Além do autor, votaram a favor da proposta Brando Veiga (Republicanos), Duda Hidalgo (PT), Judeti Zilli (PT, do Coleti­vo Popular), Elizeu Rocha (PP), Luis Antonio França (PSB), Franco Ferro (PRTB), Igor Oli­veira (MDB), Marcos Papa (Cidadania), Mauricio Vila Abranches (PSDB), Ramon Faustino (Psol, Coletivo Todas as Vozes), Renato Zucoloto (PP) e Sergio Zerbinato (PSB).

Abstiveram-se Gláucia Bere­nice (PSDB), Isaac Antunes (PL), Jean Corauci (PSB), Lincoln Fer­nandes (PDT), Matheus More­no (MDB) e Paulo modas (PSL). Alessandro Maraca (MDB), por ser presidente da Câmara, só vota em caso de empate.

Na justificativa da congra­tulação, André Rodini não cita que a médica é defensora do uso da ivermectina. Diz apenas que o motivo da homenagem é re­sultado do conjunto da obra da profissional que possui gradua­ção em Genética e Biologia Ce­lular pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho de São Paulo (Unesp).

Lucy Kerr tem forte atuação nas redes sociais em defesa do medicamento. Possui um site em que afirma que a covid-19 tem cura e que a ivermectina ajuda no combate da doença. Procurado pelo Tribuna para falar sobre o assunto, André Rodini afirmou que teve coro­navírus e que seu meu médico o tratou com ivermectina, en­tre outras medicações.

“Não tive maiores compli­cações. Desta forma, concordo que a Ivermectina tenha um efeito inibidor da multiplica­ção viral no tratamento inicial da doença”, garante. André Ro­dini já tomou as duas doses da vacina contra coronavírus. O Tribuna procurou todos os ve­readores que votaram a favor da homenagem.

Luis Antonio França, Ser­gio Zerbinato, Judeti Zilli, Marcos Papa e Ramon Faus­tino afirmaram que o fizeram equivocadamente, já que os re­querimentos apresentados em cada sessão do Legislativo – cerca de 200, em média – são votados de forma englobada.

Por isso, a homenagem teria recebido seus votos “sem que­rer”. No meio da sessão, após “descobrirem” para quem era a homenagem, Duda Hidalgo, Sergio Zerbinato e Judetti Zilli tentaram mudar o voto e in­cluir na ata da sessão que eram contra, mas regimentalmente isso não é permitido.

Vale lembrar que a justifica­tiva dada por eles, de que a vo­tação englobada impediu que tomassem conhecimento prévio da proposta, não tem sentido regimentalmente. Isso porque a pauta de requerimentos e in­dicações é disponibilizada no portal da Câmara, duas horas antes de cada sessão.

Ou seja, se um parlamentar quiser, pode verificar se concor­da ou não com algum requeri­mento apresentado. Neste caso, na hora da votação, poderá pe­dir a votação dele em destaque. Ou seja, que seja analisado sepa­radamente para que ele possa se posicionar contrário à proposta.

Renato Zucoloto, apesar de ter votado favoravelmente à home­nagem, afirmou não fazer esse tipo de propositura, mas que a Câmara é uma instituição plu­ral e representativa e que a so­ciedade se faz representar por seus vereadores. “Embora não concorde com essas pautas, cada vereador representa o seu segmento e a ele presta contas”, afirma. Ele disse ser contrário ao uso da ivermectina no trata­mento do coronavírus.

Já Luis França disse que, na próxima sessão, fará uma nota pública repudiando a aprovação do requerimento que teve o seu voto favorável. Os vereadores Brando Veiga, Duda Hidalgo, Elizeu Rocha, Franco Ferro, Igor Oliveira e Mauricio Vila Abranches não responderam ao Tribuna até o fechamento desta reportagem.