ESPIRAL – O LEGADO DE JOGOS MORTAIS
Para os que se amarram em filmes de terror, chega aos cinemas o mais recente filme da franquia Jogos Mortais. Além dos tradicio­nais sustos, mortes violentas e tudo mais no estilo de seus ante­cessores, Espiral conta ainda com boa dose de suspense psicoló­gico e isto o diferencia das produções passadas. A história começa com o detetive Ezekiel “Zeke” Banks (Chris Rock) que, juntamente com seu parceiro William Schenk (Max Minghella), estão sob a orientação de Marcus Banks (Samuel L. Jackson) um respeitado veterano policial aposentado (Samuel L. Jackson), para desvendar uma série de terríveis assassinatos que estão aterrorizando a cida­de. Tudo por causa de um sádico que desencadeia uma distorcida visão de justiça. Porém, durante as investigações e um grande mis­tério, Zeke, acaba por se envolver, involuntariamente, no centro de um mórbido jogo do assassino. Marcus é pai durão do impetuoso Zeke e, em meio ao desenrolar da trama, vão surgindo conflitos fa­miliares e éticos no jovem detetive. Com um roteiro bem montado, a história flui de um modo bem claro. Chris Rock, apesar de ser comediante, encarou bem seu personagem conseguindo uma boa atuação fora de seus padrões cômicos. Mesmo aparecendo pou­cas vezes no filme, Samuel L. Jackson mais uma vez mostra o bom e versátil ator é com seus 72 anos de idade. Outra boa performance no filme, fica com Max Minghela, formando uma afinada dupla com Chris Rock. Dirigido por Darren Lyn Bousman, o elenco é completa­do por Marisol Nichols. Para muitos, este está sendo considerado o melhor filme da franquia.