30 C
Ribeirão Preto
20 de abril de 2024 | 14:22
Jornal Tribuna Ribeirão
Estância Turística de Eldorado faz parte dos Circuitos Vale do Ribeira e Cavernas da Mata Atlântica (Divulgação)
Início » A beleza da Caverna do Diabo 
DestaqueTurismo

A beleza da Caverna do Diabo 

A viagem de carro não é curta. São cerca de 500 km de Ribeirão Preto a Eldorado, no Vale do Ribeira, estado de São Paulo. Aproximadamente 7 horas de viagem de carro. Mas para quem gosta de natureza, a estância turística é um destino que pode ser apostado, pois é considerada a Amazônia Paulista, por sua exuberante riqueza natural. 

Eldorado faz parte dos Circuitos Vale do Ribeira e Cavernas da Mata Atlântica. E se o interesse for cavernas, lá está a do Diabo, uma das mais famosas do Brasil. 

A Caverna do Diabo tem seis mil metros de extensão, sendo que apenas 600 metros são abertos à visitação. Ela faz parte do Parque Estadual Caverna do Diabo, criado em 2008, mas foi descoberta por pesquisadores há mais de 100 anos e frequentada por indígenas e quilombolas há séculos.  

Além da caverna, o parque conta com diversas trilhas, cachoeiras, rios e mirantes que dispõem ao visitante a vivência junto às espécies ameaçadas, como a onça parda, o cedro e o palmito juçara e muita mata com parte da Mata Atlântica preservada. A cidade é uma boa opção para a prática de esportes de aventura e o ecoturismo. 

Coloque no roteiro uma visita ao Quilombo de Ivaporunduva, localizado na SP-165 entre Eldorado e Iporanga, às margens do Rio Ribeira de Iguape. Alguns registros citam a origem de Ivaporunduva ainda no século XVI, porém, seus registros históricos mostram que o quilombo se formou por volta de 1690. Atualmente, ele é composto por 80 famílias e tem uma população média de 300 pessoas. Sua produção é de subsistência e para sua renda são produzidas bananas orgânicas e artesanato, além de receberem grupos escolares para turismo. 

Caverna do Diabo – Um dos cartões-postais de Eldorado, a atração é considerada uma das cavernas mais bonitas do Brasil. Para chegar ao local, o visitante passa pelo Parque de mesmo nome, sendo a segunda maior unidade de preservação natural do Estado. 

 

Cachoeira Queda do Meu Deus – Passeio para quem gosta de adrenalina. Para chegar à atração precisa fazer uma trilha que passa pelo interior da Caverna do Diabo. Chegando ao local, o visitante se depara com a queda de 53 metros de altura e outras três quedas menores, com piscinas naturais de águas cristalinas e areia fina. 

Parque Salto da Usina – Com total infraestrutura para entreter toda a família, a atração conta o ribeirão Xiririca que oferece corredeiras, quedas d´água, piscinas naturais. O visitante pode utilizar também os quiosques, churrasqueiras e área de lazer. 

Circuito Quilombola – Passeio cultural e histórico para conhecer uma comunidade Quilombola. Chegando ao local, os visitantes conhecem seus costumes, acompanham o preparo de comidas típicas e aprendem a ler e interpretar o patrimônio histórico-cultural do local, com os contadores de histórias. 

Fotos – Ken Chu – Expressão Studio 

A história da Eldorado 

O nome da cidade tem origem no ouro explorado pelos primeiros colonizadores, também atribui à lenda do “Eldorado”: país imaginário da América do Sul.  

Sua história começou por volta de 1630, quando da adentrada ao Rio Ribeira por exploradores portugueses que estavam à procura de veios de ouro. Surgiram as primeiras povoações, denominadas de arraiais de mineração, às margens do Rio Ribeira de Iguape, com destaque para os povoados de Ivaporunduva e Jaguary. 

Por volta de 1750, ergueu-se um novo povoado a cerca de vinte quilômetros rio abaixo da localidade de Jaguary (atual Itapeúna): era o povoado de Xiririca. O nome era referência à palavra em tupi-guarani para água corrente. 

Em 16 de janeiro de 1757, os irmãos Veras, de importante família de colonizadores, doaram duas casas no povoado de Xiririca, para que ali se construísse uma capela, e, em 8 de setembro, a capela, já pronta, recebeu a imagem de Nossa Senhora da Guia (atual padroeira do município). 

Em 13 de janeiro de 1763, o povoado passou à categoria de freguesia. Após a ocorrência de duas grandes enchentes, em 19 de janeiro de 1807 e em 28 de janeiro de 1809, muito se discutiu sobre a possibilidade de transferência da capela e da freguesia de local. 

Depois de muitos conflitos em torno da mudança, entre 1816 e 1834, finalmente, em 10 de março de 1842, o Barão de Monte Alegre, presidente da província, assinou a lei que elevou Xiririca à categoria de vila (equivalente atualmente a município), mas apenas em 2 de maio de 1845 foi instalada a primeira câmara municipal, sob a presidência do padre Joaquim Gabriel da Silva Cardoso. 

Em 1942, quando comemorou seu centenário, Xiririca tinha cerca de trinta mil habitantes, sendo dois mil na zona urbana. 

Seis anos depois, seu nome foi alterado para Eldorado, mudança inspirada pela corrida do ouro, assim como nas cidades vizinhas de Sete Barras (sete barras de ouro foram descobertas ali) e Registro (era lá que o ouro era registrado). 

Rota das Cavernas 

A cidade de Iporanga é considerada a Capital das Cavernas 

A região da Rota das Cavernas, formada pelas cidades de Jacupiranga, Eldorado e Iporanga, está localizada no Vale do Rio Ribeira, sul do estado de São Paulo. É um dos maiores complexos de cavernas do país, com mais de 350 cavernas catalogadas, além de dezenas de cachoeiras, trilhas e comunidades quilombolas, consideradas Patrimônio Natural da humanidade pela UNESCO. Nesta rota encontramos dois importantes parques estaduais. 

O Parque Estadual da Caverna do Diabo (PECD), que tem seu núcleo principal na cidade de Eldorado e, como principal atrativo, a Caverna do Diabo. E o Parque Estadual Turístico Alto Ribeira (PETAR), que tem seu núcleo principal na cidade de Iporanga, considerada a Capital das Cavernas. Destaques para a com o maior pórtico do mundo, a Caverna Casa de Pedra, e também a Caverna de Santana, a maior do estado de São Paulo, com mais de oito mil metros de extensão. O parque conta com diversos tipos de cavernas, onde é possível praticar esportes de aventura como rapel, escalada, exploração de cavernas, cascading (rapel em cachoeiras) e rapel em abismos. 

 

 

Mais notícias