A década de 2020

0
62

O dia 01 de janeiro de 2021 deu início não só ao ano novo, como marcou o começo da década de 2020, que se estenderá até 31/12/2030. Os puristas, como eu, entendem que a contagem deve ser esta, pois a primeira década da era cristã se estendeu do ano 1 do nascimento de Cristo ao ano 10, a segunda do ano 11 ao 20 e assim por diante, de acordo com o calendário Gregoriano, que seguimos. Porém, alguns dizem que década significa somente um período de dez anos e pode começar aleatoriamente em qualquer um destes anos, portanto consideram que a década de 2020 já teria começado ano passado.

Disputas a parte, é impressionante como o tempo passa e vamos nos esquecendo de coisas importantes que acontece­ram no passado. Lembro-me de que, em 31 de dezembro de 1999 havia uma grande incerteza mundial para saber se os computadores dos governos, dos bancos, das empresas, enfim o parque tecnológico geral haveria de reconhecer o ano de 2000 ou haveria o bug do milênio: os computadores entra­riam em pane universal, lançando o mundo numa situação de descontrole. Muitas empresas deixaram suas equipes de TI a postos, torcendo para que, na virada, os computadores continuassem funcionando, o que efetivamente ocorreu para alívio de todos nós.

Lancei meus olhos para alguns fatos marcantes dos últimos dez anos, sobre notícias que acompanhamos pela imprensa ou vivenciamos em nossa comunidade. São muitos, que vão se esmaecendo à medida que o tempo passa. Tenho grande amigo que sempre fala que o passado não é o que pas­sa, mas sim o que fica gravado na nossa memória, pois nos impactou de alguma maneira. Como aqui não é retrospectiva para listá-los todos falemos de alguns.

Dois grande eventos esportivos foram realizados em nosso país: a copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas do Rio. Bento XVI renunciou ao papado, 600 anos depois da última vez e foi eleito para substituí-lo o primeiro Papa latino-americano, o Cardeal Arcebispo de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio, que adotou o nome de Francisco. No campo ambiental, o mundo deu um grande passo ao reconhecer a necessidade de diminuirmos as emissões de carbono, que causam o aqueci­mento global, daí nascendo o Acordo de Paris, que estabelece metas e prazos para esta diminuição.

No Brasil, depois do impeachment da Presidente Dilma Roussef, foi eleito Jair Bolsonaro, populista, com a promessa de eliminar de vez da vida política nacional o predomínio do partido dos trabalhadores, o PT. Nos Estados Unidos, Donald Trump é eleito presidente, dando início a uma avalanche po­pulista, de ódio e perseguições. O Reino Unido, numa surpre­endente decisão, vota pela sua separação da União Européia, dando origem ao BREXIT, que se concretiza no último dia de 2020. Os anos 2010, sem dúvida, marcam um avanço expres­sivo da tecnologia, em todos os campos, permitindo que as descobertas se transformem em benefício para todos nós. E a década termina com a terrível pandemia da COVID-19, lan­çando medo, perplexidade e morte, mas, também abre espaço para o trabalho à distância, o incremento da e-commerce, o isolamento social, novidades que permanecerão.

E o futuro. O que nos espera nos próximos dez anos? Se­guramente, a grande esperança é a vacina contra a COVID-19 e sua aplicação a todos os habitantes de nosso planeta. Além disto, é muito difícil fazer previsões, pois os avanços e as mu­danças são imprevisíveis. O que importa é estarmos atentos ao desenrolar dos acontecimentos e prontos para tomarmos as decisões necessárias.