Valdir Avelino * 
[email protected]

Mais do que medalhas, os Jogos Olímpicos de Tóquio têm dado aos brasileiros um momento privilegiado para mostrar ao mundo que o Brasil é um país civilizado, tolerante, que não cultiva o ódio. O evento esportivo que acontece do outro lado do mundo comprova que o esporte é um componente fundamental na afirmação da identidade nacional e um fator de unidade em nossa diversidade cultural. Tóquio atesta que o esporte e o lazer são partes indissociáveis do desenvolvimento nacional, uma riqueza que se soma aos nossos recursos naturais, aos valores culturais, à população brasileira.

No mundo inteiro, há um movimento no sentido de valorizar mais o esporte. No Brasil, é dever do Estado assegurar o direito constitucional de acesso às atividades esportivas e de lazer a toda a população, independentemente da condição socioeconômica ou necessidade especial de qualquer natureza. Mas isso só se realiza de maneira plena em ambiente democrático, com participação ativa dos municípios. Diante da importância do esporte, os investimentos, o planejamento e a gestão da pasta no âmbito municipal são primordiais para efetivamente promover a democratização das práticas esportivas, colaborando para a construção da cidadania.

Por inúmeros fatores, se adotasse realmente políticas públicas de esporte e lazer por meio da valorização do serviço público e dos nossos servidores e do acesso aos espaços públicos, garantindo programas sistemáticos, o governo de Ribeirão Preto teria condições de oferecer mais que uma boa paçoquinha ao atual ministro da Fazenda. Poderíamos estar oferecendo novos atletas para o Brasil e para o mundo. 

Responsável por inúmeros benefícios à saúde e à qualidade de vida, o esporte é também uma ferramenta de inclusão e de transformação social que, infelizmente, vem recebendo pouca atenção da administração pública municipal. No mundo inteiro a trajetória do esporte e do direito ao lazer e à recreação se confunde com a história do poder público – e não poderia ser diferente no Brasil, e muito menos em Ribeirão Preto!

O nosso Sindicato cobrará do governo municipal, logo após o término dos jogos olímpicos, a produção de um diagnóstico (ou censo) do esporte e do lazer em nossa cidade, em conjunto com todas as entidades e organizações do terceiro setor e com a participação dos nossos representantes no Poder Legislativo.

Para dimensionar o verdadeiro papel e a necessidade de valorização e ampliação do número de servidores da secretaria municipal de esporte, queremos uma radiografia completa do esporte em nossa cidade. Radiografia que, certamente, mostrará que o nosso setor esportivo e de lazer é de enorme diversidade, com enormes disparidades sociais, mas com potencial esportivo inestimável.

Ainda na dependência da definição de alguns resultados, os atletas brasileiros continuam o esforço – do outro lado do mundo – por medalhas e por um desempenho compatível com a história e a dimensão do nosso país. Desse lado do mundo, em nosso município, cobraremos e esperamos que o governo municipal encampe a ideia do senso e, com base em seus resultados, crie e implemente um plano de fortalecimento da secretaria municipal responsável pelo esporte. Com isso, a administração pública municipal estará fazendo a sua parte não apenas para garantir futuros sucessos olímpicos, mas para garantir o direito à cidadania.

* Presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Pereto, Guatapará e Pradópolis (SSM/RPGP)