30 C
Ribeirão Preto
20 de abril de 2024 | 14:20
Jornal Tribuna Ribeirão
Início » Aquela missa 
Artigos

Aquela missa 

Brasil PP Salomão * 
brasil@brasilsalomão.com.br 
 
Participar de missa, da nossa Igreja Católica, foi uma constante na minha vida porque meus pais me levaram a essa tradição. Que segui pelos 82 anos de idade, até hoje. Em Campinas, na catedral, primeiros anos, a lembrança é pequena. Depois, em Monte Aprazível, ruas de terra, Missa na Catedral rezada pelo Padre Laurentino, italiano,  cujo sermão era um misto de português e sua língua natal. Não conseguia entender seus sermões, mas, foi com ele a primeira comunhão, muitas confissões não sei de quais pecados para uma criança de 7 à 11 anos. As penitências eram reais. 
 
Assim foi pelas terras onde vivi com meus pais: Pinhal, Campinas, Monte Aprazível, Araraquara, Ribeirão Preto, Rio Claro, São José do Rio Preto, São  Paulo e, depois, definitivamente,  Ribeirão Preto, a mais bela e acolhedora cidade que se possa imaginar. Poucas diferenças nas missas de uma ou outra paróquia, agora tudo falado em português/brasileiro, com o padre voltado para público. 
 
De forma diferente, com uma força incrível de verdadeiro ato de fé, ano a ano, há 25 exercícios, para saudar o INÍCIO DA SAFRA DA CANA DE AÇÚCAR, ocorre a MISSA NA USINA FERRARI, Pirassununga, rezada, desde então, pelo mesmo Padre Cantor, Reginaldo Carreira, que em todos gera fortíssima certeza da presença de Nosso Senhor Jesus Cristo e toda a esperança de vida após a morte. 
 
É diferente. Padre Reginaldo transforma a grande parte dos ritos em mensagens cantadas, cativantes, parece que carimbadas com a mais profunda fé dele padre, e, contagiante de emoções que, apenas ali sinto: perceber que sou cristão, sou católico, creio em Deus! 
 
O ato do OFERTÓRIO, diferente de todas missas vividas, toca  profundamente a alma, o sentimento, a religiosidade às vezes adormecida, e, derruba todas as dúvidas de crenças que a vida, provoca. São centenas de homens e mulheres, de todas as áreas de trabalho da Usina Ferrari, muitos operários até uniformizados, e, CADA UM LEVANDO AO ALTAR a ferramenta que usa na labuta. Assim, vemos desde  FAÇÕES até CANETAS, etc. 
 
Padre Reginaldo  se coloca à frente do simples  ALTAR, montado em um galpão da Usina, local de guarda de equipamentos, enormes máquinas agrícolas, sacas de açúcar e ali recebe COM SUAS MÃOS, individualmente, cada oferta, foice, faca, muda  da cana a ser plantada, e, agradece, no ato, além da meia curvatura de saudação a cada um da fila, com um obrigado. 
 
A Usina Ferrari, nos últimos anos, tem nos convidado (a Equipe de Advogados de “Brasil Salomão E Matthes Advocacia”) para participar dessa MISSA! E nos fazemos presentes. De minha parte, excluídos os tempos da pandemia, compareci. POR QUE se inúmeras igrejas com missas, em Ribeirão Preto? A resposta é simples: porque se sente a presença do Pai que é percebida a cada instante, sobretudo no Ofertório. É, realmente, AQUELA MISSA, renovadora de fé mesmo quando se vive tempos de algumas vacilações de se acreditar ou não. 
 
* Advogado  
 

Mais notícias