Artistas do Beco do Batman em RP

0
36
FOTOS: ALFREDO RISK

Quem passou essa sema­na pela rua Sete de Setem­bro, no numeral 777, Centro de Ribeirão Preto, percebeu uma movimentação diferen­te. O local abriga o Instituto Nova Era (INE) – instituição que fomenta ações culturais, ecológicas e fortalecimento de comunidades, entre ou­tros projetos. Nesta semana, artistas do Beco do Batman, conhecida galeria a céu aber­to da Vila Madalena em São Paulo, fizeram trabalhos de pintura em grafite da fachada da sede.

“O Nova Era trabalha em várias frentes e uma delas é o fortalecimento cultural. O Beco do Batman é uma ex­pressão cultural que está nas ruas. Quando a gente trans­forma nossos muros em pai­néis, automaticamente a gen­te fortalece a cultura desse artista que é marginalizado por muitas pessoas. O grafite do Beco do Batman na facha­da da Nova Era nada mais é do que uma expressão ar­tística e um movimento que integra as duas organizações”, explica Gabriel Mhereb, ges­tor do INE.

O Tribuna também con­versou com Daniel Medeiros, o Boleta, um dos fundadores da associação Local Stúdio Art que fica no Beco e realiza trabalhos com comunidades carentes. Boleta foi um dos primeiros a grafitar o ponto turístico paulistano.

“Eu realizo esse trabalho de arte de rua há 25 anos. É um trabalho voluntário, social e independente”, diz Boleta, que ressalta o poder da arte na transformação da vida das pessoas. “Sou um dos artistas fundadores da história do Beco. Nossa as­sociação preserva a história cultura da Vila Madalena, que vem sendo criada desde o anos 2000. São vinte anos e conquistamos muitas coisas”.

Entre as conquistas, Bo­leta cita a transformação do local, e reconhecimento pú­blico, em museu a céu aberto. “Antes da pandemia, mais de 5 mil pessoas do mundo in­teiro visitavam o Beco por se­mana. Virou um fenômeno. É o terceiro local mais visitado em São Paulo, o que prova a qualidade do trabalho artísti­co. Eu sou só mais um lá. Tem muitos artistas excelentes”.

Além da institucionaliza­ção do local com um museu, Boleta complementa outras conquistas. “O Beco sem­pre foi escuro. Através da arte a prefeitura, na gestão passada, colocou postes de luz e fechou a rua, não pode passar mais carro. Uma con­quista para os moradores, pois diminuiu o índice de criminalidade”.

Outro ponto destacado é que os moradores começa­ram a zelar pelo espaço que antes era quase que depreda­do. “Isso aconteceu através da nossa arte”.

Sobre a associação Local Stúdio Art, o artista citou tra­balhos de aulas de artes com profissionais mundialmente nomes reconhecidos, além de levar arte e alimentos para as comunidades carentes.

Boleta também comentou o trabalho que estava reali­zando no Instituto Nova Era em Ribeirão. “A Nova Era é parceira nossa e apoia­dora. Desde quando ficava em Osasco. Surgiu o con­vite para pintar a fachada. Estou fazendo um trabalho que faz referência à logo, que é o símbolo do infinito. É um trabalho bem alegre. Apliquei também algumas vertentes sobre o trabalho de agricultura sintrópica (termo designado a um sistema de cultivo agroflorestal baseado no conceito de sintropia, ca­racterizado pela organização, integração, equilíbrio e pre­servação de energia no am­biente)”, finaliza.

O Beco do Batman
O Beco do Batman fica localizado na Vila Mada­lena, bairro boêmio na zona oeste de São Paulo. É considerado um lugar icônico da capital paulista quando o assunto é o grafite.

Muitos perguntam: – Por que esse nome? Segundo alguns moradores nos anos 80 um desenho do personagem da DC Comics apareceu pintado em uma das paredes. Com isso moradores das ime­diações passaram a usar o nome para identificar o local.

Posteriormente, artistas começaram a realizar trabalhos em muros e em fachadas de residências, o que foi despertando a curiosidade de pessoas de outras regiões, até se tornar um ponto turístico.