DIVULGAÇÃO

O nordeste brasileiro é conhecido pelas suas belas praias que atraem turistas, principalmente no final do ano. Entre os destinos mais procurados, está o estado da Paraíba. O lugar chama a atenção pelos pontos turísti­cos, que estão carregados de memória.

Ao mesmo tempo que é possível descobrir como nos­sa história foi construída, a Paraíba também passará a ser ponto turístico de uma nar­rativa já contada, mas pouco se sabe sobre ela. Isso por­que será possível conhecer e observar o universo de uma maneira diferente, através do radiotelescópio Bingo, que está sendo construído no es­tado.

A estrutura vai viabili­zar a descoberta de maiores informações sobre a galáxia e o Universo, já que hoje os cientistas só têm conhe­cimento de apenas 5% do nosso Universo. O restante é chamado pelos cientistas de Setor Escuro. Nada mais se sabe sobre esse gigante! Além disso, vai-se tentar identificar e esclarecer o fenômeno das Rajadas Rápidas de Rádio, ainda muito pouco conheci­do no meio astronômico. E ainda perceber novos sinais do espaço, mapeando objetos pouco conhecidos ou desco­nhecidos.

Bingo vai colocar o Brasil em evidência no cenário científico mundial.

Assim, os apaixonados por astronomia terão mais um motivo para definir o estado como destino certo. O radiotelescópio Bingo, co­nhecido como Diamante do Sertão, está sendo instalado na Serra do Urubu, na cidade de Aguiar, 257 km de distân­cia da capital, João Pessoa.

A importância da chegada do equipamento astronômico
O Bingo vai colocar o Brasil em evidência no cená­rio científico mundial. Além disso, se trata de um radio­telescópio construído com tecnologia inédita. De acordo com o professor Elcio Ab­dalla, o Bingo vai possibilitar novas formas de observar o universo, com o objetivo de descobrir novas informações sobre o setor escuro, matéria que forma o universo.

A estrutura também irá favorecer a visão do Hemis­fério Sul assim como o Chi­me (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experi­ment) faz hoje no Hemisfério Norte. O projeto brasileiro trabalha com sinais de rádio muito fracos e tênues e, por essa razão, a Serra do Urubu foi escolhida: está longe das cidades e da poluição ele­tromagnética, o que oferece uma visão ampla e limpa. A pequena cidade de Aguiar também será um novo ponto turístico no estado.

“É muito importante compreender o que ocorre acima de todos nós. Tal aná­lise poderá nos trazer dados estratégicos, como identifi­cação e mapeamento de sa­télites que circulam por aqui, ruídos e ondas de rádio, por exemplo. Em termos de cul­tura científica, orgulho e re­conhecimento nacional isto é muito importante”, afirma o professor Elcio Abdalla, co­ordenador do projeto e pro­fessor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IF-USP).

Radiotelescópio será construído com tecnologia inédita.

Incentivo ao turismo e à ciência
A Paraíba já é um destino turístico, mas, com a chega­da do Bingo, em 2022, essa procura deve aumentar, não só por parte dos brasileiros amantes de astronomia, mas também de pesquisadores do mundo todo, que desejam ver o Diamante do Sertão de per­to. Com isso, a economia da região tende a crescer, além de trazer a atenção da comu­nidade para o radiotelescó­pio, fomentando também o interesse à ciência.

O telescópio deve repetir o mesmo sucesso que já acon­teceu em Arecibo, uma cida­de de Porto Rico, que possui um observatório. “Para o ser­tão paraibano, em termos de visibilidade será um marco importantíssimo. Nós temos, até como obrigação, contri­buir para um desenvolvimen­to real e mostrar ao cidadão que a ciência é importante, e que muda o mundo”, comen­ta Abdalla.

Para aqueles que gostam de olhar o céu
Até que a construção do radioteles­cópio, único no Brasil, seja finaliza­da, é possível saber mais sobre o universo visitando os observatórios astronômicos que estão por todo o país. Entre eles, o Observatório Antares Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), localizado na Bahia, além do Pico dos Dias, na região de Minas Gerais. Já em Brasília, é possível conhecer o Ob­servatório Astronômico UnB – FAL Universidade de Brasília.

O Observatório Nacional, com sede na cidade do Rio de Janeiro e os planetários localizados em Belém, no Pará; em João Pessoa, na Paraíba e em Parna­mirim, no Rio Grande do Norte, também são ótimas opções.

Outros motivos para visitar a Paraíba
Ficou interessado em fazer uma visita ao radiotelescópio, no interior da Paraíba? Vale a pena aproveitar a viagem e visitar outros pontos turísticos do estado, que está recheado de atrações. Confira alguns destinos:

Vale dos Dinossauros: Ainda em uma pegada científica e também histórica, o Vale dos Dinossauros é um prato cheio de conhecimento sobre o antigo. A unidade de conservação é considerada um dos sítios paleontológicos mais importantes atualmente. Lá, você encontra pelo menos 80 espécies fossili­zadas de dinossauros.

Parque Sólon de Lucena: Já na capital, em João Pessoa, não dá para não visitar um dos principais cartões postais da cidade que é o Parque Sólon de Lucena, conhecido como Lagoa. O lugar é in­crível, com um lago que tem espelho d’água e palmeiras imperiais ao redor.

Estação do Cabo Branco: Outro ponto turístico para quem ama co­nhecimento e ciência, além de arte e tecnologia. Lá, é possível visitar o museu da ciência e ter uma experiência interativa para aprender mais sobre robótica, astronomia, além de física e química. No pla­netário da Estação dá para ver mais de 100 mil estrelas. Depois do BINGO, vale a pena um pulinho.