BILL INGALLS/NASA

Um eclipse solar bastante especial, mas que não foi visí­vel para quem mora no Bra­sil, aconteceu na manhã desta quinta-feira, 10 de junho. O melhor lugar de visibilidade do fenômeno fica na faixa que vai do centro-sul do Canadá, passa pela Groenlândia e ter­mina no nordeste da Rússia. Nessas regiões, ocorreu o que os pesquisadores chamam de eclipse anular.

É quando a sombra da Lua, que fica entre a Terra e o Sol, não é suficiente para cobrir a nossa estrela. Mas é quase. No auge do eclipse anular, foi possível ver um aro de fogo solar ao redor da Lua. O eclipse parcial pôde ser visto na costa leste da América do Norte e no norte da Europa e da Ásia. O pró­ximo eclipse anular visível no Brasil será no dia 14 de outu­bro de 2023.

Alguns canais transmiti­ram esse espetáculo natural pela internet. Entre eles, o do Observatório Nacional, no YouTube. De acordo com a instituição, o eclipse des­ta quinta-feira começou por volta das cinco horas da ma­nhã e o ponto máximo foi às 7h42, no horário de Brasília.

O fim do eclipse parcial ocorreu às 10h11, de acordo com o Observatório Nacio­nal. “Importante ressaltar que esses horários não são todos para um mesmo local, mas sim para o primeiro lo­cal que vai ver o início e o úl­timo local que vai ver o fim.

Em um determinado local a duração do eclipse anular é de somente alguns minutos”, explica o Observatório Na­cional. A live foi conduzida e comentada pela pesquisa­dora do Observatório Na­cional Josina Nascimento e pelo astrônomo James Solon, do Grupo de Astronomia de Pernambuco (AstroPE).

O eclipse solar parcial foi observado perfeitamente quan­do o Sol nasceu atrás do edifí­cio do Capitólio dos Estados Unidos, visto do condado de Arlington, Virgínia, na região metropolitana de Washington DC. O eclipse solar anular ou “anel de fogo” só é completa­mente visível na Groenlândia, norte da Rússia e Canadá.