Câmara vai avaliar escolas municipais

0
57
ANDO GONZAGA/ CCS-ARQUIVO

A Comissão de Educação da Câmara de Vereadores vai avaliar se as 110 escolas municipais estão preparadas para receber, com seguran­ça sanitária, a partir de 1º de março, parte dos 46.228 estu­dantes do ensino fundamen­tal e da educação infantil da rede municipal.

A decisão foi anunciada após a primeira reunião da comissão na atual legislatu­ra (2021-2024), realizada na quarta-feira, 17 de fevereiro. A volta das aulas presenciais do ensino fundamental, antes agendada para 8 de fevereiro foi adiada para 1º de março e vai retornar junto com as do ensino infantil.

A comissão é presidida por Gláucia Berenice (DEM). O vice-presidente é Brando Veiga (Republicanos) e conta ainda com a participação de Bertinho Scandiuzzi (PSDB), Judeti Zilli (PT) e Ramon Faustino (Psol). Por causa do número de escolas, as visitas serão por amostragem em vá­rias unidades.

Também haverá um ques­tionário que será enviado por e-mail a todas as esco­las e deverá ser respondido e devolvido para análise da Câmara. Outra definição dos vereadores é que o grupo vai trabalhar em conjunto com a Comissão Especial de Estu­dos (CEE) da Educação.

Esta CEE foi criada e é pre­sidida pela vereadora Duda Hidalgo (PT). Tem como foco acompanhar a volta às aulas. Alguns dos itens dos questio­nários, inclusive, já estão sendo levantados pela Comissão Es­pecial de Estudos da Educação.

A volta das aulas presen­ciais do ensino fundamental sofreu alteração no calendá­rio por uma decisão conjunta do prefeito Duarte Nogueira (PSDB) e das secretarias da Educação e da Saúde, em vista da situação epidemiológica da região de Ribeirão Preto.

O governo municipal afir­ma que a prioridade é “a se­gurança de todos, mas tam­bém garantir a volta da rotina escolar dos estudantes, que já tiveram vários prejuízos no âmbito psicológico, cogniti­vo, físico e na aprendizagem”. Segundo a Secretaria Munici­pal da Educação, mesmo com a alteração na data de início das aulas, os estudantes terão os 200 dias letivos previstos na legislação educacional,até 22 de dezembro.

Enquanto as aulas não re­começam, utilizará este perí­odo para receber sugestões de pais e professores na organiza­ção escolar. Não haverá reces­so bimestral e as férias de julho serão de apenas uma semana. As aulas presenciais seguirão as normas do Plano São Paulo, de acordo com a fase em que a cidade se encontra.

Nas fases vermelha e laran­ja, a capacidade é de até 35% de lotação em suas salas. Na fase amarela, a lotação é de até 50% na rede municipal, e na fase verde e azul até 100%. Em Ri­beirão Preto, além da porcen­tagem de até 35% de ocupação, as salas ainda serão divididas em três grupos – A, B e C –, em dias alternados.

Na fase amarela, a porcen­tagem aumenta para até 50%, com dois grupos – A e B – e nas fases verde e azul, aumen­ta para 100%. De acordo com a prefeitura, todas as unidades escolares da rede municipal de Ribeirão Preto estão prepara­das para receber os alunos ma­triculados para este ano, cum­prindo todos os protocolos sanitários que dispõem sobre a volta às aulas, suspensas desde março do ano passado.

Uma pesquisa que está sen­do realizada pela Secretaria Mu­nicipal da Educação revela que 76,2% dos pais ou responsáveis pelos alunos matriculados na rede municipal de ensino con­cordam com o retorno as aulas presenciais em 1º de março. O resultado é parcial, já que o le­vantamento não foi concluído.

Até agora, 6.639 pessoas participaram do levantamento. Deste total, 5.056, ou 76,2%, são a favor do retorno das au­las presenciais. Já 1.583, núme­ro que corresponde a 23,8% do universo pesquisado, são contrários. De acordo com o levantamento parcial, 2.234 pessoas com filhos na educa­ção infantil do município par­ticiparam da pesquisa.

Deste total, 1.872 são fa­voráveis ao retorno, número equivalente a 83,8%, enquan­to 362 são contra – ou seja, 16,2%. Já no ensino funda­mental, são 4.405 participan­tes até agora, sendo que 3.184 querem que os filhos retornem presencialmente às escolas, 72,3% dos pais e responsáveis. Outros 1.221 preferem as aulas virtuais, 27,7% deste total.