Neste Domingo de Páscoa, 21 de abril, às 10h30, Camera­ta Alma – formada por alunos da Academia Livre de Música e Artes – apresenta mais um concerto com entrada gratuita. Será na Igreja Nossa Senho­ra da Medalha Milagrosa, no Complexo das Sete Capelas, no Morro do São Bento s/nº, Jardim Mosteiro, na Zona Les­te de Ribeirão Preto. A regên­cia será do maestro e professor responsável pela orquestra, Re­ginaldo Nascimento. O acesso é livre para o público de todas as idades.

A Camerata Alma surgiu no final de 2017 por causa da sétima edição do Festival Fia­to al Brasile, que aconteceu em fevereiro de 2018, em Faenza, na Itália. Seu objetivo é ofere­cer aos alunos integrantes um laboratório técnico-artístico, em nível mais elevado, com a proposição de repertórios audaciosos, em ambiente que favoreça a experiência profis­sional na música. Segundo o site oficial da academia, além do maestro Reginaldo Nas­cimento, é formada por mais doze músicos.

Estão na Camerata Alma os alunos Gilberto Ceranto (violino), Samuel Nascimento (violino), Eduarda Tiemi Ito (violino), Nailton Guilherme Correia (violino), Esther de Maura Nascimento (violino), Izabela Moraes Gomes (violi­no), Bruna Badane (violino), Igor Gustavo da Silva Pereira (viola), Larissa Moraes dos Santos (viola), Tiago Eugênio Neves Giroto (violoncelo), Izabela Ayumi Ito (violonce­lo) e Anderson Pereira de Oli­veira (violoncelo).

A Alma
A Academia Livre de Músi­ca e Artes (Alma) é uma asso­ciação privada sem fins lucra­tivos, com sede em Ribeirão Preto, constituída formalmen­te em junho de 2015. Enquan­to ação cultural, iniciou suas atividades em agosto de 2014, nas dependências do Centro Cultural Palace, no intuito de proporcionar a crianças e ado­lescentes iniciados em artes, especialmente em música, a possibilidade de aperfeiçoa­mento técnico, artístico e ex­pressivo (considerados num todo indissociável).

O objetivo é valorizar um ensino de excelência que leva em conta, necessariamente, a essência multifacetária da mú­sica, principalmente na relação desta com as outras expressões artísticas. Embora uma esco­la de música, as outras artes vêm no amparo da criação de espetáculos de conteúdo varia­do, especialmente abrangen­tes, como óperas, minióperas, operetas e outros gêneros mo­dernos de musicais. A Alma conta, para realização de suas pretensões, com composito­res e arranjadores residentes que garantem uma produção artístico-pedagógica conec­tada com o mundo hodierno.

O papel da Alma se con­substancia numa polivalência necessária para o cumprimen­to de suas vocações: enquanto escola de música e artes, co­loca-se como um meio para que crianças e adolescentes de quaisquer origens sociais pos­sam, uma vez iniciados e com bases artísticas fundamenta­das, se aperfeiçoarem no senti­do do acesso às melhores uni­versidades e orquestras/coros nacionais ou internacionais.

Nesse sentido, a Academia tem a função de preencher uma lacuna estrutural visível e nunca preenchida, tanto em âmbito local quanto regional (quase poderíamos dizer que o problema é nacional também). Pensada assim, ela é um meio.

No entanto, sua polivalên­cia se mostra quando, a partir da própria filosofia da edu­cação musical adotada como base de seu plano pedagógico, a produção artística de alto nível também é um fim, cujo objetivo só é alcançado a partir da existência de corpos está­veis. Isso garante que a Alma tenha uma única finalidade, malgrado os muitos caminhos para atingi-los: a experiência artística total, em sua multipli­cidade e diversidade.

Por isso, a valorização da criação original de trabalhos artísticos, no qual a experi­ência com a theoria, praxis e poiesis é radical, e o trabalho de todos os alunos convergem. Em 2017, a Alma criou seu nú­cleo de formação musical em nível iniciante nas cidades de São Joaquim da Barra e Gua­rá, em escolas públicas destas cidades, com o objetivo de preparar crianças para ingres­sarem no núcleo de formação avançada em Ribeirão Preto.

Comentários