Cidadania é uma construção

0
41

A formação da cidadania é um processo coletivo que acontece na convivência familiar, na educação básica, até o 9º ano do fundamental, e nas ruas. No entanto estes três parâ­metros, no Brasil nunca se amalgamaram. Tínhamos uma educação familiar rigorosa, onde os castigos físicos e psico­lógicos eram naturalizados, e a escola impingia ao aluno o mesmo comportamento violento provocando um sofrimento desnecessário, e impedia qualquer manifestação de felicidade.

Diferentemente dos dias de hoje, a rua para os meninos era o único lugar que para expressar a felicidade, ali se jogava bola, soltava pipa, rodava pião, e na convivência com os mais velhos, os assuntos que não se falava no seio familiar eram absorvidos e aprendíamos o que era viver em sociedade.

Já o mundo das meninas tinha outras peculiaridades. O rigor com a educação feminina era pautado na religião e no pecado. A castidade das filhas era a honra da família, principalmente das famílias pobres. Muitas famílias pobres impediam que as meninas se alfabetizassem, pois podiam através da leitura ter ideias próprias e quere conhecer outros mundos.

Na escola havia classes só para meninas, para evitar que se misturassem com os meninos, e a vigilância era rigorosa. Sair às ruas só acompanhadas, pelo pai ou irmãos. E este tipo de educação fraturada, que permeou até meados do século passado não permitiu que houvesse a autonomia, e nem a construção da cidadania, e sem cidadania não existe Nação.

O ECA (Estatuto da Infância e Adolescência), reconhecido mundialmente como um instrumento avançado na proteção da infância e adolescência, por impedir a continuação daquela educação medieval, foi acusado pelos saudosistas, tanto no seio das famílias, como na escola, de ser um instrumento prejudi­cial no processo educacional, pois proibia os castigos físicos e psicológicos, e órfãos destas armas – jogaram a toalha.

O Estatuto foi criado para proteger todas as crianças e adolescentes, no entanto a maior abrangência desta lei foi para os pobres, já que os ricos são protegidos naturalmen­te. Talvez por ter atendido o direito dos mais pobres foi tão odiado. Neste interim, abandonados pelas famílias, e rejeita­dos pela velha escola restou para essa meninada abrir o seu próprio caminho.

A velha escola conteudista, que ainda permeia entre nós, achava e acha que os educandos chegam vazios de conhecimen­tos, e a função da escola é apenas preenchê-los, não admitindo a participação do educando no seu próprio aprendizado.

A velha escola acusa os educandos pela falta de interesse em sala de aula. Acontece quehá muito tempo a sala de aula deixou de ser interessante para a meninada, que não con­segue ver utilidade nos conteúdos para assuas vidas. E para complicar o século 21 trouxe a tecnologia das redes sociais – ai a porca torceu o rabo.

O interesse da meninada pelas novas tecnologias criou um ambiente de conflito no chão da escola, não por culpa deles, pois são apaixonados pelas novidades, só que a escola não consegue acompanhar as novidades na mesma velocidade.

A formação da cidadania é um processo de construção coletiva que precisa ser amalgamado. A família participan­do da vida do educando, a escola recebendo os educandos e seus familiares numa construção democrática, e valorizar as ruas, pois tudo acontece nas ruas: reivindicações, protes­tos, greves, passeatas, festas e desfiles. Portanto a cidadania é este amalgama.

Comentários