A campanha para diminuir a inadimplência, lançada pela Companhia Habitacional Regio­nal de Ribeirção Preto (Cohab­-RP) no último dia 16 de no­vembro e que prossegue até 28 de dezembro, está surtindo efeito entre os mutuários com presta­ções em atraso. Diante disso, e para facilitar o atendimento aos interessados, o presidente da em­presa, Nilson Baroni, anunciou dois plantões de atendimento nos próximos sábados, dias 9 e 16, no das nove às 16 horas.

A sede da Cohab-RP fica na avenida Treze de Maio nº 157, no Jardim Paulista, na Zona Leste da cidade. Nos dias úteis o atendimento também é no mesmo horário. A campanha, direcionada para mutuários com prestações e parcelamentos da casa própria em atraso, prevê desconto de 50% dos juros de mora sobre os pagamentos efe­tuados à vista, conforme porta­ria nº 17/2017, disponibilizada no site da empresa.

O prazo para a negociação vai até dia 28 e vale para todos os mutuários em débito, inclusive aqueles que têm ação ajuizada, desde que não haja sentença com trânsito em julgado (sem possibi­lidade de recorrer). O montante de prestações em atraso chega a R$ 5.170.905,98. Desse total, R$ 2.099.671,12 correspondem a inadimplência em Ribeirão Pre­to, 34,87 % dos mutuários ativos.

Conjuntos com inadim­plência alta – Os conjuntos com maior número de pessoas com prestações em atraso são Jardim Alexandre Balbo, Jardim Juliana A, Jardim Joaquim Procópio de Araújo Ferraz, Jardim Manoel Penna, Jardim Maria Casagran­de Lopes, Jardim José Sampaio Junior I, Jardim das Palmeiras II, Jardim Paulo Gomes Romeo e Jardim Jovino Campos.

Municípios com inadim­plência alta – Já os devedores da região totalizam um montante de R$ 3,07 milhões. Entre as cidades da região com maior índice de inadimplência estão São Carlos, Franca, Orlândia, Jardinópolis, Olímpia, Monte Alto e Igarapava. A direção da Cohab de Ribeirão Preto está mobilizando as prefei­turas dessas cidades para solicitar a colaboração dos prefeitos nes­sa campanha de diminuição da inadimplência. A ideia é evitar a judicialização e a perda dos imó­veis por parte dos devedores.

Comentários