RAFAEL ALVES/COMERCIAL FC

O Comercial vai ou não jogar a Copa Paulista? Essa é a pergunta que o torcedor al­vinegro quer saber a resposta. Porém, essa não é a questão – momentaneamente – mais importante dentro do clube.

Segundo José Lourenço, diretor de futebol do Leão do Norte, a prioridade é fazer os acertos financeiros com os jogadores que disputaram a Série A3.

“Todo o nosso esforço no momento é estar direcionado pra recurso financeiro pra fa­zer o término dos contratos que venceram no término da competição”, afirmou o dire­tor em entrevista ao site glo­boesporte.com.

As dificuldades do Co­mercial em relação às finan­ças acontecem por vários fatores. O principal deles é o bloqueio das cotas de par­ticipação disponibilizadas pela FPF (Federação Paulista de Futebol), bonificação que gira na casa dos R$ 300 mil e que o Bafo não tem acesso por conta das dividas traba­lhistas que possui. Os pro­cessos geram penhora dessas cotas há alguns anos.

A diretoria alvinegra já está acostumada a este cená­rio. Entretanto, nas últimas duas temporadas, os jogos sem a presença do público também minaram as recei­tas do clube. De acordo com Lourenço, o Leão deixou de arrecadar cerca de R$ 1 mi­lhão nesta temporada. O clu­be também teve aluguéis do estádio bloqueados.

O diretor também contou que o estafe alvinegro aguar­da o convite da federação para a Copa Paulista e que a participação ou não só será discutida quando a possibi­lidade de integrar a competi­ção for concreta.

“Ainda dependemos pri­meiro de um convite que vem através da Federação Paulis­ta de Futebol e, segundo, pra ocorrer a análise de toda a di­retoria, para ocorrer a possível participação ou não”, disse.

Caso o Comercial não jogue a competição, os joga­dores que possuem contrato em vigência serão empresta­dos no segundo semestre. Os mais jovens, principalmente, os formados no clube, devem jogar na Matonense, que vai disputar a segunda divisão paulista.