JF PIMENTA/ARQUIVO TRIBUNA

O prefeito Duarte Nogueira Júnior (PSDB) autorizou nesta sexta-feira, 2 de agosto, o cha­mamento de mais 53 professores concursados para atuar na rede municipal de ensino. A convo­cação será realizada na próxima semana e completará o quadro docente da Secretaria da Educa­ção de Ribeirão Preto, que passa a operar sem déficit.

Serão chamados 44 Profes­sores de Educação Básica de Arte (PEB III), que atuarão na educação infantil e no ensino fundamental, e nove PEB III de Educação Física para atua­ção no ensino e na Educação de Jovens e Adultos (EJA). Os professores devem assumir as salas de aula ainda na primeira quinzena de agosto.

“Ribeirão Preto é um dos poucos municípios que têm Arte e Educação Física desde a pré-escola, incluindo Educa­ção Física para jovens e adultos. Com o quadro docente com­pleto, conseguimos repor o ca­lendário escolar perdido. Nossa expectativa é de, no segundo semestre, não ter nenhum alu­no sem aula”, afirma Felipe Elias Miguel, secretário da Educação.

Novos professores
Recentemente, a Secretaria da Educação criou 130 novos cargos de professores concur­sados, sendo 80 de Arte e 50 de Educação Física. Destes, 53 já estão sendo chamados, ou 40,7%. No mês de julho, 39 temporários foram convo­cados e, em maio, 97 docentes concursados foram contrata­dos e já estão em sala de aula.

Segundo levantamento re­cente da Associação dos Profis­sionais da Educação (Aproferp), as 109 escolas da rede municipal de ensino convivem com um dé­ficit de 1,1 mil profissionais. Fal­tariam cerca de 600 professores e de 500 inspetores, cargo para o qual a administração não abre concurso há 20 anos, segundo o presidente da entidade, Cristia­no Lima Floriano. “Vem num quadro negativo. Isso é compro­vado pelo Tribunal de Contas do Estado, que há dois anos vem notificando a prefeitura.”

Um relatório divulgado por diretores de 29 Escolas Muni­cipais do Ensino Fundamental (Emefs) e protocolado no Mi­nistério Público Estadual (MPE) pelo Conselho Municipal da Educação diz que a falta de pro­fessores deixaram os alunos sem 5.181 aulas em 75 dias do ano le­tivo deste ano. A Secretaria Mu­nicipal da Educação já iniciou a reposição em julho e diz que vai cumprir o calendário escolar do ano letivo – 200 dias de aula.

O Tribuna apurou que o go­verno considerava o déficit de educadores menor, de 200 pro­fissionais, a agora garante que o problema foi solucionado. No início deste ano, estavam ma­triculados na rede municipal 46.921 estudantes – 22.696 do ensino infantil e 24.225 do fun­damental. Dentre as unidades do município, 76 são de edu­cação infantil e 33 de ensino fundamental. São 34 Centros de Educação Infantil (CEIs), 41 Escolas Municipais de Educa­ção Infantil (Emeis) e 26 Escolas Municipais de Ensino Funda­mental (Emefs).

Também tem três Centros Educacionais Municipais de Educação Integral (Cemeis), duas Escolas Municipais de Ensino Fundamental e Ensino Médio (Emefems), um Centro de Educação Especial e Ensino Fundamental (CEEEF), uma Escola Municipal de Ensino Profissional Básico (EMEPB), Educação de Jovens e Adultos (EJA, salas espalhadas por várias unidades), além das 20 escolas conveniadas.

Comentários