MARCELO CAMARGO/AG.BR.

O consumo mundial de café no ano-cafeeiro 2020-2021 deverá atingir o volume físico equivalente a 167,58 milhões de sacas de 60 quilos, o que repre­senta um acréscimo de 1,9%, em comparação com o consumo registrado no ano-cafeeiro an­terior, que foi de 164,43 milhões de sacas. A previsão é da Empre­sa Brasileira de Pesquisa Agro­pecuária (Embrapa).

Neste ano-cafeeiro em curso, a Europa será responsável 32,5% do consumo mundial de café, Ásia & Oceania 21,9%, América do Norte 18,9%, América do Sul 16,2%, África 7,3% e México & América Central 3,2%. Neste contexto global do consumo de café, um ranking dos seis blocos econômicos, em termos de volume e respectivo cresci­mento percentual, em relação ao período anterior, demons­tra a performance em ordem decrescente de volume.

A Europa, em primeiro lu­gar, com 54,25 milhões de sacas a serem consumidas, apresenta­rá um crescimento de 1,8%; na segunda posição, vem a Ásia e Oceania, com 36,70 milhões de sacas (1,3% de crescimento); e, na sequência, destaca-se a Amé­rica do Norte, com 31,77 mi­lhões de sacas (3,7%).

Em quarto colocado nes­se ranking, figura a América do Sul, com 27,23 milhões de sacas, volume físico que repre­senta um acréscimo de 1,2% em relação ao período ante­rior; em quinta posição, o con­tinente Africano, com 12,27 milhões de sacas (2,1%); e, por fim, a região que contempla o México e a América Central, o consumo atingirá 5,36 milhões de sacas, o que representará aumento de 0,7%, também se comparado com o consumo do ano-cafeeiro anterior.

Os números e dados estatís­ticos da performance do con­sumo da cafeicultura global são do Relatório sobre o mercado de Café – maio 2021, da Orga­nização Internacional do Café (OIC), instituição representativa da cafeicultura mundial, da qual o Brasil é país-membro.

O relatório encontra-se dispo­nível na íntegra no Observatório do Café, do Consórcio Pesquisa Café, rede integrada de pesquisa coordenada pela Embrapa Café. O ano-cafeeiro para a OIC com­preende o período de outubro a setembro. O consumo e a produ­ção mundiais de café são agrupa­dos pela Organização nos seis blocos econômicos citados.

A OIC atribui o incremento do consumo mundial de café ao abrandamento das restrições ligadas à pandemia da covid-19 e as perspectivas de uma recupe­ração econômica subsequente, além da confiança dos consu­midores, fatores que têm sina­lizado uma tendência positiva no consumo mundial de café. Assim, conforme a organização, o consumo deverá crescer 2,3% nos países importadores e 1% nos países exportadores.