REDES SOCIAL/ REPRODUÇÃO

A Justiça de Brodowski de­terminou nesta segunda-feira, 14 de janeiro, a prisão preventiva do empresário Fabrício de Luna Vieira, de 35 anos, suspeito de dirigir bêbado em uma colisão que matou uma mulher de 31 anos na Rodovia Cândido Porti­nari (SP-334), em Brodowski, na noite de domingo (13). Katius­cia Bianca Borges chegou a ser socorrida, mas não resisitiu.

ARQUIVO PESSOAL/ REPRODUÇÃO

O carro de luxo dirigido por Luna Vieira bateu na traseira do Chevrolet Corsa em que a dona de casa estava com o noivo, o mecânico Igor de Moraes Al­ves, de 22 anos, que pilotava o veículo, e a filha do casal, de um ano.Eles voltavam de Fran­ca para Ribeirão Preto. Após a colisão, o GM capotou e bateu em uma árvore.

O pai e a criança foram socorridos e levados para hos­pital na cidade. Luna Vieira estaria embriagado e, segundo uma testemunha, teria pedido para que ninguém chamasse a polícia. Ele tem uma acade­mia em Guaíra. O homem foi preso em flagrante. Ele estava preocupado, segundo as teste­munhas, que seu pai soubesse da ocorrência e que resultaria na perda da “mesada”. Na de­legacia de Polícia Civil de Bro­dowski, o indiciado se negou a fazer o teste de alcoolemia.

A prisão foi confirmada após a realização de uma audi­ência de custódia. Luna Vieira deve responder por homicídio culposo, lesão corporal culposa e embriaguez ao volante. Ele foi encaminhado a um Centro de Detenção Provisória (CDP) da região não informado.

O advogado Vladimir Buo­si, que atua na defesa de Vieira, informou que vai recorrer da determinação judicial para que o empresário responda ao pro­cesso em liberdade. Segundo ele, o suspeito preenche todas as condições para obter esse bene­fício da Justiça.

Segundo Alves, Katiuscia viajava no banco do passageiro, ao lado do noivo, mas passou para o banco traseiro minutos antes da colisão, porque a filha, que estava dormindo durante a viagem, começou a chorar. De acordo com ele, a noiva morreu ao proteger a menina – no mo­mento da colisão, ela se debru­çou sobre a cadeirinha.

O mecânico ainda contou que o motorista que provocou a colisão tentou inverter a situação do acidente, acusando-o ter coli­dido na traseira do carro dele. O empresário de 35 anos se negou a fazer o teste do bafômetro, mas o exame clínico comprou que estava bêbado.

Comentários