Dengue despenca no início do ano

0
12
Original Title: AA_851sRGB.tif

Os casos de dengue despen­caram em Ribeirão Preto neste início de ano. Segundo dados do Boletim Epidemiológico, divul­gado pela Secretaria Municipal da Saúde nesta quarta-feira, 24 de fevereiro, em janeiro apenas três pessoas foram vítimas do mosquito Aedes aegypti – vetor da doença, do zika vírus e das febres chikungunya e amarela na área urbana.

No mesmo mês de 2020 foram registrados 2.932 ocor­rências. Ou seja, a queda chega a 99,9%, ou 2.929 a menos. No ano passado, entre 1º de janei­ro e 31 de dezembro, Ribeirão Preto registrou 17.604 casos de dengue e a Secretaria Munici­pal da Saúde (SMS) investiga mais 383 pacientes que podem estar com a doença – aguarda o resultado de exames.

Em 2020, ocorreram onze mortes na cidade, mas um caso era importado de São Simão. No total oficial, a Secretaria da Saúde fechou o ano passado com dez óbitos por dengue, sete a mais do que os três falecimen­tos de 2019, alta de 233,3%. O número de dez vítimas fatais do Aedes aegypti – vetor da do­ença, do zika vírus e das febres chikungunya e amarela na área urbana – já é o maior em pelo menos cinco anos (desde 2016).

Antes de 2019, a cidade não registrava óbito em decorrência da infecção desde 2016, quando nove pacientes não resistiram aos vírus. O número total de ví­timas do Aedes aegypti em 2020 é 21,2% superior ao de 14.520 pessoas infectadas em 2019 – de acordo com dados atualizados pela Secretaria da Saúde –, 3.084 ocorrências a mais.

Ribeirão Preto declarou epi­demia ainda na primeira me­tade de 2020, a sexta em onze anos. A média diária de pesso­as diagnosticadas com o vírus transmitido pelo Aedes aegypti em 365 dias foi de 48, duas por hora. Dos 17.604 casos con­firmados até agora, 2.932 são de janeiro, 6.695 de fevereiro, 5.045 de março, 1.865 de abril, 806 de maio, 170 de junho, 47 de julho, 16 de agosto, doze de setembro, cinco de outubro, seis de novembro e apenas cin­co de dezembro.

No ano passado, a maioria das vítimas do mosquito trans­missor tinha entre 20 e 39 anos (6.564). Depois aparecem os adultos de 40 a 59 anos (4.409), jovens de dez a 19 anos (2.785), idosos com mais de 60 anos (1.915), crianças de 5 a 9 anos (1.167), de um a quatro anos (652) e menores de um ano (112). Em 2020, os casos de den­gue foram registrados nas regi­ões Oeste (5.163), Leste (3.625), Norte (3.558), Sul (3.297) e Cen­tral (1.961) – não há ocorrências sem identificação de distrito.

Em 2018, Ribeirão Preto re­gistrou 271 casos de dengue. Em 2017, foram 246, o volume mais baixo dos últimos doze anos. Em 2014 foram 398 registros. Nos demais oito anos os casos confirmados foram superiores a mil, em alguns deles passando de dez mil registros, como em 2016 (de 35.043 casos, maior surto da história da cidade), 2010 (de 29.637), 2011 (de 23.384) e 2013 (de 13.179). O terceiro menor registro de casos ocorreu em 2012, com 317. Ribeirão Preto também constatou 1.700 casos em 2009 e 4.689 em 2015.

Casos de dengue em Ribeirão Preto
2009 – 1.700 casos
2010 – 29.637 casos
2011 – 23.384 casos
2012 – 317 casos
2013 – 13.179 casos
2014 – 398 casos
2015 – 4.689 casos
2016 – 35.043 casos
2017 – 246 casos
2018 – 271 casos
2019 – 14.520 casos
2020 – 17.604 *
2021 – 03 **

* São 2.932 são de janeiro, 6.695 de fevereiro, 5.045 de março, 1.865 de abril, 806 de maio, 170 de junho, 47 de julho, 16 de agosto, doze de setembro, cinco de outubro, seis de novembro e cinco de dezembro

** Dados de janeiro

Total desde 2009: 140.991, mas es­tudo da SMS aponta que o número pode ser quatro vezes superior, de 563.964
PAULO WHITAKER